A ESCOLA INTERCULTURAL INDÍGENA NA COLÔMBIA E NO BRASIL DESDE O PONTO DE VISTA DA LITERATURA ANTROPOLÓGICA: INSTRUMENTO CIVILIZATÓRIO OU INSTRUMENTO POLÍTICO INDÍGENA?

Maurício Caviedes

Resumo


Este artigo propõe discutir o problema da dominação de uma sociedade sobre outras e a sua ligação com o conhecimento escolar. Essa discussão é necessária para os povos indígenas conseguirem o direito de ter uma educação que garanta sua sobrevivência, com acesso aos conhecimentos chamados de “universais”, mas também com respeito aos conhecimentos chamados de “próprios” ou “tradicionais”. Com o propósito de achar uma solução para esse problema, este artigo apresenta os avanços nos estudos sobre a educação indígena na Colômbia e no Brasil entre as décadas de 1990 e 2000. Sobre essa apresentação, cria uma classificação dos autores: aqueles que enfatizam as consequências civilizatórias da escola sobre os povos indígenas e os que enfatizam o processo de reinterpretação e apropriação indígena da escola. A classificação não procura criar uma dicotomia, mas servir como instrumento analítico dos pontos de vista dos antropólogos e antropólogas sobre o assunto. Além disso, essa classificação pode ajudar os povos indígenas na construção de instrumentos (escolares ou não) para formar os futuros líderes políticos dos seus povos.

Palavras-chave


etnologia indígena; Colômbia; Brasil; educação indígena

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-6524.63909

Qualis Área de Avaliação Classificação ANTROPOLOGIA / ARQUEOLOGIA B1 CIÊNCIAS AMBIENTAIS B2 COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO B2 DIREITO B3 EDUCAÇÃO B3 HISTÓRIA B3 INTERDISCIPLINAR B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 MEDICINA II B5 PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA B3 PSICOLOGIA B3 SOCIOLOGIA