VIDA & MORTE ENTRE POVOS INDÍGENAS

Jane Felipe Beltrão, Rhuan Carlos dos Santos Lopes, Mainá Jailson Sampaio Cunha, Luiza de Nazaré Mastop-Lima, William César Lopes Domingues, Tiago Pedro Ferreira Tomé

Resumo


Considerando as frequentes violações de direitos perpetradas contra os Povos indígenas, atingido territórios e pessoas, comprometendo a vida e até o direito de prantear os mortos, torna-se imperioso conhecer os cuidados e as apreensões dos indígenas em relação a vida e a morte. Para isso, propomos analisar narrativas etnográficas acerca dos Apinayé, Ka’apor, Tapirapé, Tembé, Tenetehara, Terena e Asurini, a fim de discutir o cuidado com as pessoas, tendo em vista os contextos dos rituais funerários. Os textos analisados são capazes de revelar (1) a existência (ou não) da prática; (2) os contextos específicos em que os rituais funerários são (ou não) praticados; e (3) os sentidos que a prática assume em sociedades etnicamente diferenciadas. As narrativas sobre os povos indígenas vêm à discussão na tentativa de “fazer ouvir” os povos que, hoje, se veem acusados tanto pela mídia e como por organizações (ditas) pró-vida. Portanto, usando da literatura clássica estuda-se o patrimônio de práticas rituais que para além de conferirem dignidade aos mortos, indica de forma peremptória que a vida é o bem maior entre os povos indígenas.

Palavras-chave


povos indígenas; vida; morte; ritual funerário; sepultamento

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/ea.v9i1.54951

Qualis Área de Avaliação Classificação ANTROPOLOGIA / ARQUEOLOGIA B1 CIÊNCIAS AMBIENTAIS B2 COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO B2 DIREITO B3 EDUCAÇÃO B3 HISTÓRIA B3 INTERDISCIPLINAR B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 MEDICINA II B5 PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA B3 PSICOLOGIA B3 SOCIOLOGIA