O discurso biobibliográfico em Gabriel Peignot: notas sobre o sujeito e o autor na Modernidade bibliológica

Gustavo Silva Saldanha, Diogo Xavier da Mata

Resumo


A pesquisa propõe uma análise do discurso biobibliográfico em Gabriel Peignot a partir do Dictionnaire Raisonné de Bibliologie, publicado em 1802. O foco do objeto de investigação está na discussão sobre a identificação e a descrição das fontes de informação biobibliográficas no corpus peignotiano. A reflexão teórica, sustentada pela epistemologia histórica e pela abordagem filosófico-linguística, via a teoria pragmática, se constrói a partir de três marcos discursivos, a saber: os verbetes biobibliográficos e a intencionalidade peignotiana, a relação indivíduo e produção de texto/documento em Paul Otlet e, por fim, a reflexão crítica de Roland Barthes acerca da morte do autor como forma tardia de desenvolvimento da Modernidade. O objetivo principal é desenvolver a análise, apoiados em um contexto epistemológico-histórico, do papel da biobibliografia na Modernidade. A discussão mostra que a intenção em Gabriel Peignot de relacionar biografias e os feitos de cada sujeito no contexto bibliológico é profundamente marcada por uma influência enciclopédica e, ao mesmo tempo, por uma concepção sistemática do conhecimento empírico moderno, advindo do século dezoito.


Palavras-chave


Biobibliografia. Discurso Biobibliográfico. Gabriel Peignot. Modernidade. Nome Próprio.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1808-5245250.159-175



Em Questão | ISSN 1808-5245 | EQ no Facebook | EQ no Google Scholar

Classificação Qualis: A2 - Comunicação e Informação; B2 - Ciências Ambientais; B3 - Administração, Ciências Contábeis e Turismo; B4 - Sociologia; B5 - Engenharias I.

Programa de Pós-graduação em Comunicação  | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705, sala 519 | CEP 90035-007 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone: (51) 3308 2141| E-mail: emquestao @ufrgs.br 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária do San Francisco Declaration on Research Assessment (DORA)