Os indicadores bibliométricos: virtudes e limites no contexto da avaliação em Ciência e Tecnologia

Raimundo Nonato Macedo Santos

Resumo


O texto discute as bases necessárias para a formulação de Indicadores em Ciência e Tecnologia, suas virtudes e limites. Visto que quantificar é inerente ao ser humano, e que a aplicação dessa prática consistiu em um fator decisivo na constru- ção do conhecimento e do expressivo sucesso das ciências exatas e das engenharias, já no século XIX, é inimaginável aceitar que não exista consenso sobre como medir e avaliar a produção intelectual e acadêmica. Nisso reside a motivação deste trabalho; na necessidade de uma reflexão sobre as propriedades gerais, natureza, gênese e efeitos da prática de quantificar em face da inexistência de consenso. Como opção, propõe-se a conceituar Indicadores em Ciência e Tecnologia de forma mais ampla, “como modelo”. Assim, propõe-se um acordo, na concepção conceitual de “modelo”, para medir e avaliar a produção intelectual e acadêmica, que subsidie, adequadamente e com equidade, tomadas de decisão, particularmente, referente à meritocracia e aos investimentos em pesquisa e inovação nos campos das ciências duras, humanas e aplicadas.

Palavras-chave


Indicadores em ciência e tecnologia. Avaliação da produção cientí- fica. Bibliometria.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1808-5245213.319-335



Em Questão | ISSN 1808-5245 | EQ no Facebook | EQ no Google Scholar

Classificação Qualis: A2 - Comunicação e Informação; B2 - Ciências Ambientais; B3 - Administração, Ciências Contábeis e Turismo; B4 - Sociologia; B5 - Engenharias I.

Programa de Pós-graduação em Comunicação  | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705, sala 519 | CEP 90035-007 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone: (51) 3308 2141| E-mail: emquestao @ufrgs.br 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária do San Francisco Declaration on Research Assessment (DORA)