Meios digitais participativos: o difícil trânsito do receptor ao produtor

María Soledad Segura

Resumo


Durante a profunda crise econômica e institucional e a intensa mobilização social e política que os argentinos viveram no início do século, multiplicaram as experiências de comunicação alternativa que tentaram responder às exigências de expressão e de informação de grandes setores da população. Muitos destes novos meios sejam desenvolvidos em digital. Em suas tentativas de construir novos modelos de comunicação, essas iniciativas fizeram modificações dos papéis tradicionais dos sujeitos do processo de comunicação (jornalistas e público) que tendia a desintermediação e a maior participação. A participação é um dos princípios fundamentais da tradição latino-americana que definiu a política de comunicação como condição de "comunicação democrática". No entanto, estas propostas apresentaram sérias dificuldades e limitações significativas para a mudança da passiva recepção do público à atividade produtiva.

Palavras-chave


Palavra Meios digitais. Participação. Acesso. Limitações.





Em Questão | ISSN 1808-5245 | EQ no Facebook | EQ no Google Scholar

Classificação Qualis: A2 - Comunicação e Informação; B2 - Ciências Ambientais; B3 - Administração, Ciências Contábeis e Turismo; B4 - Sociologia; B5 - Engenharias I.

Programa de Pós-graduação em Comunicação  | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705, sala 519 | CEP 90035-007 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone: (51) 3308 2141| E-mail: emquestao @ufrgs.br 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária do San Francisco Declaration on Research Assessment (DORA)