Museus Portugueses de 1974 à atualidade: da resolução de problemas funcionais à comunidade

Alice Duarte

Resumo


Começo por sistematizar um conjunto de informações relativas ao panorama museológico português tendo como marco de partida 1974 e de chegada a atualidade. De forma necessariamente esquemática, procuro destacar as diferentes fases de consolidação e desenvolvimento dos próprios museus e dos seus organismos tutelares e respetivo enquadramento legal. Os anos de 1990 apresentam-se como anos do boom dos museus, nomeadamente, dos museus locais e de tutela autárquica. A análise prossegue notando como certas dinâmicas inicialmente presentes – como os ideais de mobilização e um sentido forte de comunidade – desaparecem e os esforços se orientam mais para a resolução de problemas funcionais dos museus. Termino apelando à necessidade de reconceptualização da noção de património com o auxílio da qual mais eficazmente o museu poderá cumprir as suas funções sociais.


Palavras-chave


Museus locais. Rede Portuguesa de Museus. Portugal. Noção de património.

Texto completo:

PDF




Em Questão | ISSN 1808-5245 | EQ no Facebook | EQ no Google Scholar

Classificação Qualis: A2 - Comunicação e Informação; B2 - Ciências Ambientais; B3 - Administração, Ciências Contábeis e Turismo; B4 - Sociologia; B5 - Engenharias I.

Programa de Pós-graduação em Comunicação  | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705, sala 519 | CEP 90035-007 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone: (51) 3308 2141| E-mail: emquestao @ufrgs.br 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária do San Francisco Declaration on Research Assessment (DORA)