Bibliotecas comunitárias em Florianópolis-SC: o olhar de seus agentes

Rosangela Madella, Francisco da Chagas de Souza

Resumo


Neste artigo, expõe-se uma parte dos resultados de estudo realizado em quatro bibliotecas comunitárias sediadas em Florianópolis, Santa Catarina. Seu objetivo é comunicar a interpretação do discurso coletivo proferido no conjunto das questões lançadas aos informantes por ocasião do estudo completo. O estudo completo foi elaborado como dissertação de mestrado, em que se buscou apreciar a relevância da participação desse tipo de biblioteca no funcionamento da sociedade. O objetivo da pesquisa foi analisar as representações sociais presentes no discurso coletivo obtido das falas proferidas por diversas pessoas envolvidas na organização e gestão dessas bibliotecas. Os informantes que contribuíram na coleta de dados em campo, definidos como agentes, foram pessoas que atuam em várias funções, desde a captação de recursos até a oferta de serviços. A partir do pensamento por elas expresso, foram identificadas algumas representações associadas às noções de escassez de investimentos públicos, ineficácia de gestão pública, exclusão social e cultural, bem como valoração da habilidade de leitura.


Palavras-chave


Biblioteca comunitária. Leitura. Representações sociais.

Texto completo:

PDF




Em Questão | ISSN 1808-5245 | EQ no Facebook | EQ no Google Scholar

Classificação Qualis: A2 - Comunicação e Informação; B2 - Ciências Ambientais; B3 - Administração, Ciências Contábeis e Turismo; B4 - Sociologia; B5 - Engenharias I.

Programa de Pós-graduação em Comunicação  | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705, sala 519 | CEP 90035-007 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone: (51) 3308 2141| E-mail: emquestao @ufrgs.br 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária do San Francisco Declaration on Research Assessment (DORA)