O registro das cores invisíveis: Porto Alegre imaginada em álbuns de família

Nara Magalhães, Márcia Anselmo, Lourdes Ana Pereira Silva, Ângela Zamin, Reges Schwaab

Resumo


Este artigo apresenta alguns resultados da pesquisa “Porto Alegre Imaginada”, com destaque para as análises do grupo “Álbuns de Família”, que buscou conhecer, além dos registros oficiais sobre açorianos, as contribuições de outro grupo étnico-racial para a riqueza e diversidade da cidade. Entrevistando e fotografando pessoas que se auto-definem como negras, ouvindo seus relatos e histórias ao folhear seus álbuns de fotografias, procuramos na pesquisa dar visibilidade a uma trajetória de cidadãos e a uma cidade que na maioria das vezes permanece desconhecida, tanto da história oficial como da visibilidade midiática. Neste artigo, queremos contribuir para a reflexão a respeito de outros imaginários sobre a cidade, e pensar o que os registros pessoais e a sua narração nos dizem sobre o lugar, as possibilidades e os significados partilhados.

 


Palavras-chave


Álbuns de família. Fotografia. Imaginário. Porto Alegre Imaginada. Negro.

Texto completo:

PDF




Em Questão | ISSN 1808-5245 | EQ no Facebook | EQ no Google Scholar

Classificação Qualis: A2 - Comunicação e Informação; B2 - Ciências Ambientais; B3 - Administração, Ciências Contábeis e Turismo; B4 - Sociologia; B5 - Engenharias I.

Programa de Pós-graduação em Comunicação  | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705, sala 519 | CEP 90035-007 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone: (51) 3308 2141| E-mail: emquestao @ufrgs.br 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária do San Francisco Declaration on Research Assessment (DORA)