Memória e esquecimento ou solidão informacional do homem contemporâneo: a metáfora do filme Amnésia

Georgete Medleg Rodrigues

Resumo


O filme Amnésia é analisado neste artigo num quadro de referências que evoca os conceitos de tempo, memória e informação e adota como ponto de partida as impressões dos alunos da disciplina Memória e Informação do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade de Brasília sobre o filme. A análise proposta busca refletir sobre as relações entre informação e memória e o seu significado na sociedade contemporânea que privilegia a rapidez, a eficácia e a eficiência da informação; que supervaloriza a informação e os meios de transmiti-las, ao mesmo tempo em que tende a torná-los – meios e informação – rapidamente obsoletos. Busca, também, compreender como os indivíduos transitam nesse paradoxo de abundância de registros informacionais e as dificuldades de lhes atribuir algum sentido; da impotência do sujeito que perdeu a memória e o instinto e parece deslocado temporal, social e espacialmente.

 


Palavras-chave


Informação; memória; cinema

Texto completo:

PDF




Em Questão | ISSN 1808-5245 | EQ no Facebook | EQ no Google Scholar

Classificação Qualis: A2 - Comunicação e Informação; B2 - Ciências Ambientais; B3 - Administração, Ciências Contábeis e Turismo; B4 - Sociologia; B5 - Engenharias I.

Programa de Pós-graduação em Comunicação  | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705, sala 519 | CEP 90035-007 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone: (51) 3308 2141| E-mail: emquestao @ufrgs.br 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária do San Francisco Declaration on Research Assessment (DORA)