“Abre porta, fecha janela”: garantias nacionais para o refúgio e seu contraste com os relatos de refugiados sírios em São Paulo, Brasil

Larissa Netto Lira Rangel Rigamonte, Viviane Mozine Rodrigues, Vinicius Francisco Marchese

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar os avanços legais apresentados pelo Brasil frente a temática do refúgio, os contrapondo aos relatos e dificuldades enfrentadas pelos que aqui chegam e são abarcados por tais marcos. A observação dessas contraposições visa responder ao necessário exame sobre até onde os avanços legais atendem às demandas financeira, social e emocional de indivíduos que fogem de realidades adversas em busca de um novo ambiente no qual possam se sentir inseridos, dando prosseguimento às suas vidas. Em vista disso, foram acompanhados e entrevistados três refugiados sírios estabelecidos no Estado de São Paulo desde 2014. A partir de seus relatos, tecemos pontos de reflexão a respeito de melhorias referentes aos processos de acolhida e adaptação destes e de outros casos a um país e a uma cultura deveras diferentes das quais se originaram. Sendo assim, os registros aqui expostos e as considerações estabelecidas pelos autores têm por intuito contribuir com debates comprometidos no preenchimento de lacunas e na resolução de questões presentes em um tema que merece maior destaque, tanto em meios acadêmicos quanto no âmbito das Políticas Públicas.


Palavras-chave


Refugiados Sírios; Lei do Refúgio; Relatos Orais

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2178-8839.99926

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

Conjuntura Austral - ISSN: 2178-8839

       UFRGS