Poder monetário e financeiro dos países do BRICS: o que mudou desde a crise financeira global de 2008 e por que é importante

Luiza Peruffo

Resumo


Este artigo analisa as transformações em curso no sistema monetário e financeiro internacional (SMFI) desde a Crise Financeira Global de 2008 e o papel desempenhado pelos países do BRICS. O artigo argumenta que, embora as mudanças provocadas pelos países do BRICS tenham sido marginais, porque não ocorreu uma mudança substancial nas relações de poder subjacentes, estas mudanças importam porque são poder como um fim em si mesmo. São examinadas três áreas em que o grupo foi relativamente bem sucedido em desafiar o sistema: (i) aumentar sua voz nos principais fóruns econômicos globais (com foco no FMI e no G20), (ii) criar novas instituições financeiras internacionais; e (iii) influenciar a nova visão institucional do FMI sobre fluxos de capital. Em seguida, discute-se os limites do poder monetário e financeiro dos BRICS, dada sua posição subordinada no SMFI, com a exceção da China. Compreender a ascensão e os limites do poder monetário e financeiro dos BRICS é importante porque eles encorajam o arcabouço teórico existente a avançar, se quisermos entender como atores subordinados – como as economias emergentes e os grupos formados por eles (tal qual os BRICS) – podem conseguir aquilo que querem em um sistema rígido, hierárquico e ainda dominado pelas economias avançadas.


Palavras-chave


BRICS; Global Financial Crisis; monetary and financial power

Texto completo:

PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.22456/2178-8839.97514

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.

 

Conjuntura Austral - ISSN: 2178-8839

       UFRGS