A influência de John Boyd na política externa e de segurança dos Estados Unidos: cosmovisão, teoria e grande estratégia

João Gabriel Burmann da Costa, Igor Estima Sardo, Isadora Bortowski Florisbal

Resumo


O artigo tem como objetivo discutir as possíveis influências do pensamento de John Boyd na Política Externa e de Segurança dos Estados Unidos (FSP). O problema de pesquisa é investigar a relação da cosmovisão de Boyd - a promoção do caos e o aumento da entropia - com aspectos da FSP americana pós-1991. A cosmovisão, epistemologia e método no pensamento de Boyd são brevemente analisados. Em seguida, buscam-se os pontos de contato com as teorias do Idealismo e do Realismo e, por fim, são discutidos os motivos da ausência de uma grande estratégia americana. O principal argumento é que o pensamento de Boyd nos permite traçar várias relações com teóricos que influenciaram a Política Externa e de Segurança dos Estados Unidos. Quanto à tradição idealista, ela se dá em um mundo dominado pelo caos, no caso de Boyd, e sem o Estado-nação, como propõe Creveld. Com os neorrealistas, o paralelo é entre o papel da projeção de poder e o medo como elemento da política externa dos Estados Unidos. Por fim, no que diz respeito à grande estratégia norte-americana, a influência de Boyd pode estar na inversão da hierarquia da realidade (da tática à estratégia, do combate à política), além de sua cosmovisão e epistemologia, o que teria contribuído para o predomínio da simplificação. soluções no US FSP.


Palavras-chave


John Boyd; Política Externa e de Segurança dos EUA; Grande Estratégia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2178-8839.93027



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

Conjuntura Austral - ISSN: 2178-8839

       UFRGS