O México na política externa brasileira de 2000 a 2012: entre o poder compartilhado e a competição

Diogo Ives, Jéssica Delabari de Lima

Resumo


Durante os governos de Cardoso II, Lula e Dilma, a política externa brasileira teve como eixo de atuação destacado a construção de uma integração regional que privilegiava a América do Sul em detrimento de uma integração entre toda a América Latina. Em um esforço de institucionalizar o projeto regional, o Brasil organizou, em 2000, a I Cúpula Sul-Americana, que evoluiu nos anos seguintes, também sob seu empenho, para o nascimento e a operacionalização da UNASUL. Uma das implicações claras desse projeto era a marginalização do México em relação à América do Sul. O artigo procura expor como a política externa brasileira lidou com esse país latino-americano desde 2000 até 2012, ano que viu o lançamento da Aliança do Pacífico contrariar aquela marginalização ao colocar o México em uma aliança com outros países sul-americanos. Verificou-se, no plano bilateral, um discurso diplomático que enfatizava a divisão da América Latina em duas partes e, no plano multilateral, negações de apoio a candidatos mexicanos para cargos de direção em importantes organismos internacionais. Nos dois cenários, foi marcante o uso de mecanismos institucionais para delimitar as disputas de inserção internacional entre os dois países.


Palavras-chave


Política Externa Brasileira; Política Externa Mexicana; Integração Regional

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2178-8839.67211



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

Conjuntura Austral - ISSN: 2178-8839

       UFRGS