A vingança da geografia: A construção do mundo geopolítico a partir da perspectiva geográfica

Alexandre Cesar Cunha Leite, George Bronzeado de Andrade

Resumo


Robert D. Kaplan em sua obra “A vingança da Geografia: a construção do mundo geopolítico a partir da perspectiva geográfica” sustenta a necessidade de um resgate vigoroso da perspectiva geopolítica pelas relações internacionais. Por intermédio de um texto bem escrito, claro e conciso, apoiado em uma análise histórica, Kaplan traz para o centro nervoso das relações de poder entre os Estados, a importância do elemento espacial como um fator fundamental sobre o qual se debruçam a estratégia militar e a diplomacia. Ao trazer à tona a importância da geopolítica (em termos de território e demografia, sobretudo) para a compreensão das estratégias dos Estados no Sistema Internacional, Kaplan ressuscita a velha tese de que a questão geográfica ainda pode explicar em muitos sentidos o movimento dos Estados e seus planos de ação em diversas conjunturas de poder. Kaplan (2013: 62) nessa direção explica que períodos de convulsão global reavivam as perspectivas analíticas sustentadas na geografia e na geopolítica, na qual a segunda é considerada como a influência da geografia sobre as divisões humanas.

Robert D. Kaplan em sua obra “A vingança da Geografia: a construção do mundo geopolítico a partir da perspectiva geográfica” sustenta a necessidade de um resgate vigoroso da perspectiva geopolítica pelas relações internacionais. Por intermédio de um texto bem escrito, claro e conciso, apoiado em uma análise histórica, Kaplan traz para o centro nervoso das relações de poder entre os Estados, a importância do elemento espacial como um fator fundamental sobre o qual se debruçam a estratégia militar e a diplomacia. Ao trazer à tona a importância da geopolítica (em termos de território e demografia, sobretudo) para a compreensão das estratégias dos Estados no Sistema Internacional, Kaplan ressuscita a velha tese de que a questão geográfica ainda pode explicar em muitos sentidos o movimento dos Estados e seus planos de ação em diversas conjunturas de poder. Kaplan (2013: 62) nessa direção explica que períodos de convulsão global reavivam as perspectivas analíticas sustentadas na geografia e na geopolítica, na qual a segunda é considerada como a influência da geografia sobre as divisões humanas.


Palavras-chave


Geopolítica, Estratégia, Relações Internacionais

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2178-8839.61319

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.

 

Conjuntura Austral - ISSN: 2178-8839

       UFRGS