Segurança Nacional e Política Externa no Brasil Contemporâneo: desafios institucionais e culturais

Laura de Castro Quaglia

Resumo


Esse trabalho trata dos desafios institucionais e culturais que dificultam a formulação de uma política de Segurança Nacional convergente com a Política Externa no Brasil. A pergunta de pesquisa é: como as instituições e a cultura política no Brasil impedem ou atrapalham a coordenação entre a política externa e a política de defesa – e portanto, a segurança nacional? Na dimensão institucional, considera-se a hipótese de que os principais desafios são: i) o atual estágio das instituições democráticas no Brasil e ii) o hiato existente entre o Ministério das Relações Exteriores (MRE) e o Ministério da Defesa (MD). Por sua vez, no âmbito cultural o principal desafio deriva da forte percepção compartilhada tanto pelo governo quanto pela população de que o Brasil não tem inimigos externos, o que resulta em uma certa negligência com a formulação e implementação de uma política sólida de segurança nacional. A metodologia utilizada consiste na análise do processo de evolução histórica do MRE e do MD, assim como na análise documental e de dados quantitativos sobre percepção da população do World Value Survey 2014. 


Palavras-chave


Política Externa Brasileira; Segurança Nacional; Institucionalismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2178-8839.59103

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

Conjuntura Austral - ISSN: 2178-8839

       UFRGS