INDÚSTRIAS MILITARES PRIVADAS, PLANO COLÔMBIA E REPERCUSSÕES NO MONOPÓLIO ESTATAL DO USO DA FORÇA NA AMÉRICA DO SUL NO PÓS-GUERRA FRIA

Fernando Luz Brancoli

Resumo


O presente artigo aponta as transformações ocasionadas pela utilização das Indústrias Militares Privadas, no âmbito do Plano Colômbia, sob a luz do conceito de monopólio estatal do uso da força na América do Sul no pós-Guerra Fria. Criado em julho de 2000 pelos Estados Unidos, o programa antidrogas ‘Plano Colômbia’ injeta cerca de 630 milhões de dólares neste país sul-americano. Deste montante, metade é designada para tais empresas particulares, encarregadas principalmente de auxiliar no combate direto das Farc e no treinamento de tropas. Representantes do processo de liberalização econômica da década de 90, as Indústrias Privadas Militares encontram-se em uma espécie de “área cinza” do Direito Internacional, tornando-se atores importantes para o entendimento das novas questões envolvendo conflitos no mundo pós-Guerra Fria.


Palavras-chave


Segurança Internacional, Soberania, Indústrias Militares Privadas

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2178-8839.16507

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.

 

Conjuntura Austral - ISSN: 2178-8839

       UFRGS