Peregrinação e Romaria: Um Lugar para o Turismo Religioso

Pierre Sanchis

Resumo


As perspectivas aqui exploradas originam-se num caso historicamente situado e limitado: a distinção de estratégia pastoral (e política) estabelecida na primeira parte do século XX pela Igreja católica em Portugal entre “romaria” e “peregrinação”. A primeira sendo uma manifestação religiosa complexa e atavicamente popular, orientada para uma “sacralização” da existência humana na sua própria dimensão profana; a outra uma transfiguração “sacramental” desta existência, sublimada através dos ritos eclesiásticos oficiais. Dois modelos ideal-típicos, que suportam gradações, pesos relativos e dominâncias, variadas compatibilizações enfim, e cuja aplicação generalizante na história tem sentido. Pois eles abarcam diferentes modos de assumir uma relação “peregrina” com o tempo, o espaço, o corpo, a dimensão coletiva. Acrescenta-se a presença de outras dialéticas, em certa medida sempre remodeladoras, eventualmente até fatores de transição entre um e outro modelo: as da relação entre dimensão religiosa e dimensão política, entre jornada devota e excursão turística.

Palavras-chave


Peregrinação; romaria; sagrado; religião; Peregrination; holiness; religion

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-2650.2294

Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião.

ISSN impresso: 1518-4463
ISSN online: 1982-2650

contador de visitas