Uma escrita refletindo formação, acontecimento e viagem.

Ronaldo Luis Goulart Campello, KAMILA ALARCON MUNHOZ, Cynthia Farina

Resumo


Este texto baseia-se nas experiências de duas salas de aula, uma brasileira e outra colombiana, unidas através de um intercâmbio de cartas escritas à mão. Num primeiro momento, iniciando o diálogo e situando o leitor, iremos tratar sobre o referido projeto, que começa como extensão no ano de 2014 e avança para uma pesquisa nos anos seguintes, o professor brasileiro explica sua origem.Em um segundo momento, temos as reflexões deste mesmo docente e da professora colombiana, que contribuiu para tornar este texto um instrumento de composição escrita, a partir de experiências de formação: relato dos professores sobre a experiência/encontro da troca de escritos epistolares, e, como esta prática de escrita permeou processos, o dos estudantes de cada docente, e o dos próprios docentes. A escrita surge como processo de formação de si, tratado a partir de aprendizagens realizadas no envio e recebimento das cartas. O método de pesquisa apresentado é o cartográfico, que surge, a partir da filosofia de Deleuze e Guattari. Jorge Larrosa, Foucault, entre outros, surgem para dar suporte a outras questões apresentadas.


Palavras-chave


Formação; Cartas epistolares; Acontecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


BÁRCENA, Fernando. El aprendiz Eterno. Filosofía, educación y el arte de vivir. Miño y Dávila Editores, Madrid. 2012.

CAMPBELL, Joseph. El héroe de las mil caras. Psicoanálisis del mito. México: Fondo de cultura económica, 1972.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? Rio de janeiro: Ed. 34, 1992.

______, G. GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia, v.1. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

______, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998. p. 184.

FERREIRO, Emilia. Pasado y presente de los verbos leer y escribir. México D.F. Fondo de cultura económica, 2002.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: ____.O que é um autor? Trad. António Fernando Cascais e Edmundo Cordeiro. Lisboa: Editora Vega. 1992. p. 129-160.

LARROSA, Jorge. Entre las lenguas. Lenguaje y educación después de Babel. Editorial Laertes. Barcelona. 2003

______, Jorge. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas/ texto de Jorge Larrosa, tradução de Alfredo Veiga-Neto, - 5, Ed.; 2. reimp. – Belo Horizonte; Autentica Editora, 2015.

______, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação. Jan/Fev/Mar/Abr 2002, Nº 19. Disponível em: acessado em 15/05/15.

LERNER, Delia. Leer y escribir en la escuela: lo real, lo posible y lo necesario. Edición, 1ª ed. Publicación, México, D.F.: Fondo de Cultura, 2001.

PASSOS, Eduardo. KASTRUP, Virgínia. ESCÓSSIA, Liliana da. Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade / orgs. Eduardo Passos, Virgínia Kastrup e Liliana da Escóssia. – Porto Alegre: Sulina, 2015. 207 p.

PORCHIA, A. Voces. Buenos Aires. Edicial, 1989.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental. São Paulo, Liberdade, 1989.

ZOURABICHVILI, François. O vocabulário de Deleuze. Tradução André Telles Rio de Janeiro 2004.

ZULETA, Estanislao. Sobre la lectura. Medellín, 1982.




DOI: https://doi.org/10.22456/2595-4377.89195