Filosofar para comunicar: espaço dos surdos na educação de jovens e adultos (EJA)

Ana Luiza Paganelli Caldas

Resumo


Resumo: Este trabalho é uma sumária reflexão sobre aplicar a filosofia na educação como ferramenta para construir o pensamento. O filosofar no sentido de construir significado de mundo, de construir subjetividade, de construir a identidade surda a partir da educação pressupondo que muitos surdos nascem em famílias ouvintes e são educados em escolas de ouvintes e, às vezes, também chegam a idade adulta sem acesso a educação escolar. Meu princípio é minha realidade enquanto surda e educadora. Procuro assim reforçar o ideal de que a Língua Brasileira de Sinais – Libras, é a língua dos surdos e é ela que permeia os processos educativos desta comunidade, sejam crianças, jovens ou adultos. Portanto, as escolas bilíngues para surdos são de fundamental importância para que o sujeito surdo participe da construção de sua autonomia para atuar numa sociedade ouvinte e que exige preparação para o mercado de trabalho.

Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos, Filosofia, Identidade Surda

Texto completo:

PDF

Referências


CUNHA, José Auri (Org.). Filosofia para criança: orientação pedagógica para educação infantil e fundamental. Campinas, SP: Alínea, 2008.

HALL, Stuart. Identidade cultural na pós-modernidade. 3ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

PERLIN, Gladis; QUADROS, Ronice. Ouvinte: o outro do ser surdo. In: QUADROS, R. (Org.). Estudos Surdos I. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2006.

SARDI, Sérgio Augusto. ULA um diálogo entre adultos e crianças. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22456/2595-4377.88557