Pacto do Ensino Médio: anseios, reflexões e perspectivas de professores sobre o ensino de Ciências da Natureza

Vera Lucia Bobrowski, Paulo Romeu Gonçalves, Rosangela Ferreira Rodrigues, Geonir Machado Siqueira, Beatriz Helena Gomes Rocha, Luciana Bicca Dode

Resumo


O “Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio (PNEM) representa a articulação e coordenação de ações e estratégias entre a União e os governos estaduais na formulação e implementação de políticas para elevar o padrão de qualidade do Ensino Médio brasileiro”. Atividades de formação continuada em Ciências da Natureza foram desenvolvidas, as quais se alicerçaram nos pressupostos recomendados de conexão entre as ações existentes e novas proposições. A partir da análise da atividade realizada com os formadores regionais foram organizadas ações visando proporcionar a segurança para a aplicação de propostas do Caderno III, tendo como eixo central a aprendizagem de Ciências e sua significação para o aprendiz, abordando conceitos de demonstração, experimentação e investigação como práticas pedagógicas. Finalizamos evidenciando as reflexões, as perspectivas e os anseios dos professores sobre o ensino de Ciências.

Palavras-chave


Ensino Médio; ensino de Ciências

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINI, Vanessa W.; TREVISOL, Maria T.C. Experimentação didática no ensino de ciências: Uma proposta construtivista para utilização do laboratório didático. In. COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, IV., 2014, Joaçaba. Anais _ Joaçaba: UNOESC, v. 2, n. 1, set. 2014 p. 753-762.

AZEVEDO, Maria. C. P. S. Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

BORGES, Tarciso A. Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro do Ensino de Física, Florianópolis: UFSC, Florianópolis, v. 19, n. 3, p. 291-313, dez. 2002.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Formação de professores do ensino médio, Etapa II - Caderno III: Ciências da Natureza / Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica; [autores: Daniela Lopes Scarpa... et al.]. – Curitiba: UFPR/Setor de Educação, 2014. 48p.

BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais: Adaptações Curriculares. Brasília,

Disponível em:

asp>. Acesso em: 10 maio 2016.

CARVALHO, Anna M. P. de. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: CARVALHO, Anna Maria Pessoa de (org.). Ensino de ciências por investigação: condição para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013, p.1-20.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

FRANCISCO JÚNIOR, Wilmo E.; FERREIRA, Luiz H.; HARTWIG, Dácio R. Experimentação Problematizadora: Fundamentos Teóricos e Práticos para a Aplicação em Salas de Aula de Ciências. Química Nova na Escola, São Paulo: SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA; São Paulo, SBQ, n. 30, p. 34-41, nov. 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2008.

GIORDAN, Marcelo. O papel da experimentação no ensino de ciências. Química Nova na Escola, Experimentação e Ensino de Ciências, São Paulo: SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA; São Paulo, SBQ, n. 10, p. 43-49, nov. 1999.

IMBERNÓN, Francisco. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

JABLONSKI, Nina; CHAPLIN, George. Todas as Cores da Pele. Scientific American Brasil. São Paulo: Segmento e Ediouro, ano 1, n. 6, p. 64-71, nov. 2002.

KRASILCHIK, Myriam. Prática de ensino de biologia. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2004.

LABURÚ, Carlos E.; ARRUDA, S. de M. Reflexões criticas sobre estratégias instrucionais construtivistas na educação científica. Revista Brasileira do Ensino de Física, São Paulo: SBEF: São Paulo, v. 24, n. 4, p. 477-488, dez. 2002.

MARTINS, Jorge S. O trabalho com projetos de pesquisa. Campinas, SP, Papirus, 8. ed., 2011.

NÓVOA, A. (Org). Os professores e a sua formação. Portugal: Porto, 1992.

PIAGET, Jean. A Psicologia da Criança. Porto: Asa, 1997.

RODRIGUES, Bruno A.; BORGES, Tarciso A. O Ensino de Ciências por Investigação: Reconstrução Histórica In: ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, XI., Curitiba, 2008. Anais_ CD-Rom, Curitiba, SBF, 2008. p. 1-12.

SÁ, Luciana P.; FRANCISCO, Cristiane A.; QUEIROZ, Salete L. Estudos de caso em química. Química Nova, São Paulo: SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA: São Paulo, USP, v. 30, n. 3, p. 731-739, 2007.

SANT’ANA, Ilza M.; RAMOS, Heloisa C.. Avaliação: Ela ajuda a orientar a aprendizagem. Disponível em http://revistaescola.abril.com.br/planejamento-e-avaliacao/tabela_avaliacao_024.html>Acesso em 21/09/2009.

SASSERON, Lucia H.; CARVALHO, Anna M. P. de. Construindo argumentação na sala de aula: A presença do ciclo argumentativo, os indicadores de alfabetização científica e padrão de Toulmin. Ciência e Educação, Bauru: Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência: Bauru, UNESP, v. 17, n.1, p.97-114, 2011.

ZOMPERO, Andreia F.; LABURÚ, Carlos E.. Atividades Investigativas no Ensino de Ciências: Aspectos Históricos e Diferentes Abordagens, Revista Ensaio, Belo Horizonte: FUNDAÇÃO CESGRANRIO; Rio de Janeiro: Fundação Cesgranrio, v.13, n.03, p.67-80, set-dez. 2011.




DOI: https://doi.org/10.22456/2595-4377.68830