ORQUESTRA COMO ESPAÇO DE SONORIDADES PLURAIS: ÉTICA, INCLUSÃO OU RECLUSÃO

Tadeu Rossato Bisognin

Resumo


A Orquestra tem-se revelado, ao longo dos tempos, como um dispositivo poderoso de participação, mas que parece não ter sido aproveitado nas suas completas potencialidades. Ela surge, fundamentalmente, como um espaço de visibilidade artística, de grande tecnologia, que o pode ser, mas que obnubila uma outra sua perspectiva, quando não se enquadra numa abertura à essência da comunicação. As orquestras de integração podem ser, afinal, essa plataforma, à volta da qual, se devem tecer compromissos, mobilização e, sobretudo, afeição e emoção.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2595-4377.35702