Processos de tomada de consciência e reflexões acerca de “valores” em jogos de regras de caráter coletivo

Stela Maris Vaucher Farias, Maria Luiza Rheingantz Becker

Resumo


As reflexões apresentadas neste artigo originam-se dos estudos e resultados da pesquisa realizada no Colégio de Aplicação da UFRGS em 2009 e 2010. Este estudo busca investigar a maneira como os estudantes de quinta e sexta séries do Projeto Amora se apropriam dos mecanismos internos dos jogos de regras de caráter coletivo, como isso se dá por meio do processo de “tomada de consciência”(PIAGET, 1974) e quais os desdobramentos em termos da constituição de “valores de troca” e das possibilidades que emergem de um trabalho interdisciplinar. Esta pesquisa está associada ao Programa de Bolsas Primeira Ciência/UFRGS (2009/2010) e às atividades do projeto de pesquisas Contribuições da Epistemologia Genética para as Práticas Escolares da Faculdade de Educação da UFRGS. Os dados indicam a existência de uma complementaridade entre os processos de constituição de “valores” dos professores e dos estudantes. A realização de atividades interdisciplinares no contexto do Projeto Amora estaria favorecida quando a possibilidade de tornar mais flexível uma escala de valores fosse exercida intencionalmente.  Esse processo contribuiria para a constituição de um trabalho pedagógico organizado, levando em consideração objetos comuns entre diferentes áreas do conhecimento. Constata-se, também, a relevância da utilização de aspectos essenciais do Método Clínico de Jean Piaget.


Palavras-chave


jogos de regras de caráter coletivo; epistemologia genética; metodologia da educação física;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2595-4377.19154