RESÍDUOS DE SOLOW INDUSTRIAIS: UM ESTUDO EMPÍRICO PARA O BRASIL

Matheus Albergaria de Magalhães

Resumo


Neste artigo, estudamos as propriedades cíclicas de taxas de variação de medidas de produtividade total dos fatores (“resíduos de Solow”) para a indústria brasileira. Para tanto, procuramos verificar se diferenças na metodologia de construção das medidas de produtividade consideradas afetam suas propriedades estatísticas. Os resultados obtidos demonstram que tais propriedades são sensíveis à metodologia empregada. Em particular, no caso da amostra analisada, obtemos três resultados básicos: (i) medidas de produtividade corrigidas são menos correlacionadas com medidas de produção industrial quando comparadas com medidas de produtividade não corrigidas; (ii) medidas onde a correção é feita a partir do uso da variável “consumo industrial de energia elétrica” apresentam uma volatilidade inferior à volatilidade da produção industrial, enquanto que medidas onde a correção é feita a partir do uso da variável “utilização da capacidade instalada” apresentam uma volatilidade superior; (iii) apenas medidas onde a correção é feita a partir do uso de taxas variáveis de utilização da capacidade instalada obedecem à propriedade de invariância de Hall-Evans, podendo ser caracterizadas como exógenas. Esses resultados demonstram a importância da metodologia empregada na construção de medidas de produtividade bem como a importância de taxas variáveis de utilização da capacidade instalada no caso de horizontes correspondentes a ciclos de negócios.

Palavras-chave


Resíduo de Solow; Choques tecnológicos; Ciclos de negócios.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2176-5456.7270



 
.........................................................................................................................................................................................................................

Indexadores


 PROPESQ  PROPESQ PROPESQ   PROPESQ      PERIÓDICOS UFRGS


 
.........................................................................................................................................................................................................................

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Faculdade de Ciências Econômicas
Revista Análise Econômica
ISSN 0102-9924 / e-ISSN 2176-5456