REDE DE ECONOMIA DA SAÚDE PARA A GESTÃO DO SUS – REDE ECOS

Fabiola Sulpino Vieira, Maria Helena Lima de Sousa

Resumo


Este artigo tem por objetivo discutir alguns aspectos da recém-criada Rede de Economia da Saúde para a Gestão do SUS (Rede Ecos), analisando seu potencial e os desafios que lhe são inerentes. Apresenta-se o histórico de sua cria- ção abordando as razões para sua existência e as vertentes de trabalho delineadas. Os principais atores são discutidos, bem como a interdependência entre eles, evi- denciando as relações não hierárquicas entre as organizações, as quais pertencem a diferentes esferas de governo e campos de atuação. São discutidos, ainda, o capital social, a institucionalização, a sustentabilidade, a estrutura e instrumentos de coordenação, a comunicação e a informação na rede. Por fim, enfatiza-se o seu potencial no campo da Economia da Saúde, seja na implementação de políticas públicas, produção e disseminação de informação ou capacitação e formação de pessoas.

Palavras-chave


Redes de políticas públicas; Economia da saúde; Governança; Políticas públicas de saúde

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2176-5456.25585



 
.........................................................................................................................................................................................................................

Indexadores


 PROPESQ  PROPESQ PROPESQ   PROPESQ      PERIÓDICOS UFRGS


 
.........................................................................................................................................................................................................................

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Faculdade de Ciências Econômicas
Revista Análise Econômica
ISSN 0102-9924 / e-ISSN 2176-5456