O INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL-CHINA: A QUESTÃO DAS VANTAGENS COMPARATIVAS

Paulo Ricardo Feistel, Álvaro Barrantes Hidalgo

Resumo


O objetivo deste trabalho é conhecer melhor as características do fluxo comercial entre Brasil e China. São analisados diversos aspectos das relações comerciais entre os dois países: mudança na estrutura, comércio intraindústria, intensidade tecnológica e aproveitamento de vantagens comparativas. O assunto é relevante tendo em vista a crescente importância da economia chinesa no cenário internacional e o crescimento do fluxo comercial verificado entre os dois países nas duas últimas décadas. Foram encontrados baixos índices de comércio intraindústria entre os dois países e baixa (alta) intensidade tecnológica nas exportações (importações) brasileiras. Os dados parecem mostrar uma tendência de especialização do comércio exterior brasileiro com a China. Com base na técnica de insumo produto, e considerando o modelo das proporções de fatores com três fatores de produção, é feita uma análise das intensidades fatoriais no comércio, a mesma mostra as exportações brasileiras como sendo mais intensivas em recursos naturais e as importações mais intensivas em capital, sendo que os bens intensivos em trabalho apresentaram baixa representatividade comercial entre os dois países. Assim os resultados parecem mostrar-se condizentes com os preceitos das vantagens comparativas caso, seja aceito o Brasil como sendo relativamente abundante em recursos naturais e relativamente escasso em capital, quando comparado com a China.

Palavras-chave


Abertura comercial; Comércio Brasil-China; Vantagens comparativas

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2176-5456.16464



 
.........................................................................................................................................................................................................................

Indexadores


 PROPESQ  PROPESQ PROPESQ   PROPESQ      PERIÓDICOS UFRGS


 
.........................................................................................................................................................................................................................

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Faculdade de Ciências Econômicas
Revista Análise Econômica
ISSN 0102-9924 / e-ISSN 2176-5456