UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS ESTIMATIVAS DE PRODUTO POTENCIAL PARA O BRASIL

Ricardo de Figueiredo Summa

Resumo


Com a implantação do Sistema de Metas de Inflação (SMI) no Brasil, ganhou importância a necessidade de medir o hiato do produto, que segundo o modelo do Novo Consenso em política econômica, que serve de inspiração teórica para o SMI, é a principal causa da inflação no longo prazo. O presente artigo visa avaliar criticamente os artigos e estudos feitos pelas instituições oficiais brasileiras (como por exemplo BACEN e IPEA) e acadêmicos que estimam o produto potencial para o Brasil. Avaliaremos a razoabilidade dos resultados empíricos produzidos por essas estimações e a aderência à teoria do Novo Consenso, que é a base de sustentação do modelo do SMI. Conclui-se que (1) quanto mais exógeno e determinado por fatores de oferta (estoques de fatores, seu uso eficiente e em níveis que não aceleram a inflação) é o produto potencial estimado, menor é a aderência empírica, devido a presença de hiatos significativamente negativos e persistentes; e (2) a tentativa de remediar tal método utilizando filtros estatísticos acaba por tornar o produto potencial endógeno e dependente do andamento do produto e da demanda efetiva, o que vai de encontro a teoria do Novo Consenso que sustenta o modelo.

Palavras-chave


Produto potencial; Modelo do novo consenso; Histerese

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2176-5456.12008



 
.........................................................................................................................................................................................................................

Indexadores


 PROPESQ  PROPESQ PROPESQ   PROPESQ      PERIÓDICOS UFRGS


 
.........................................................................................................................................................................................................................

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Faculdade de Ciências Econômicas
Revista Análise Econômica
ISSN 0102-9924 / e-ISSN 2176-5456