Fatores de risco para mumificação fetal e natimortalidade em granjas tecnificadas de suínos

Vladimir Farias Borges

Abstract


Um dos parâmetros mais utilizados para a mensuração da produtividade em suínos é o número de leitões desmamados por fêmea ao ano. A importância da mortalidade fetal tem aumentado devido ao aumento na taxa de ovulação e provável limitação da capacidade uterina. As perdas fetais, juntamente com a mortalidade na maternidade, estão entre as maiores causas de perdas na suinocultura. Os objetivos do trabalho foram verificar os fatores de risco para mumificação fetal e natimortalidade em 4 granjas tecnificadas. Para fins de análise, os dados de 565 partos foram separados em 2 grupos de granjas com características de ordem de parto (OP) semelhantes, sendo a média de 2,81 e 4,45 partos no grupo A e grupo B, respectivamente. Os leitões e as placentas foram pesados individualmente para obtenção do índice de produção placentária (IPP). A análise dos possíveis fatores de risco para natimortalidade e mumificação fetal foi feita pela regressão logística multivariada. As taxas de natimortos e de mumificados foram de 4,9% e 4,0% e de 6,2% e 2,8%, nos grupos A e B, respectivamente. O percentual de fêmeas com natimortos foi de 39,6 (110/278) no grupo A, e 44,6 (128/287) no grupo B. As fêmeas com mumificados representaram 37,4% (104/278) e 25,4% (73/287) nos grupos A e B, respectivamente. Fêmeas com mais de 12 leitões apresentaram maiores chances de natimortalidade, no grupo A, ou de mumificação, em ambos os grupos. Fêmeas com OP >5 tiveram maior risco de natimortalidade, em comparação àquelas de OP 2 a 5, no grupo A. Maior risco de mumificados ocorreu nas fêmeas de OP >5 e nas leitoas, no grupo B. O peso da leitegada foi fator de risco para natimortalidade, sendo observado maior percentual de fêmeas com natimortos em leitegadas acima de 18 kg ou em leitegadas leves (<13 kg), mas com leitões de baixo peso médio. Fêmeas com partos longos (>3 h) tiveram maior chance de natimortalidade no grupo B. As fêmeas com mumificados, do grupo B, apresentaram maior risco de natimortalidade. No grupo B, fêmeas com menor IPP tiveram maior chance de mumificação, em relação àquelas com maior IPP. Os manejos associados ao parto, como indução, uso de ocitocina ou auxílio manual ao parto não foram fatores de risco para natimortalidade.


Keywords


Mortalidade fetal; Mumificados; Leitões natimortos; Partos; Ordem de parto; Tamanho da leitegada; Placenta; Peso ao nascer; Ocitocina; Toque; Indução



DOI: https://doi.org/10.22456/1679-9216.16849

Copyright (c) 2018 Vladimir Farias Borges

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.