Intervenção manual ao parto em suínos: estudo comparativo do desempenho reprodutivo, longevidade e produção de leite

Ana Paula Gonçalves Mellagi

Abstract


O experimento 1 caracterizou as fêmeas com intervenção manual no parto, além de avaliar os efeitos que podem ocorrer na sua vida reprodutiva ao longo de 1 ano. Foram coletados dados do parto de 4.121 fêmeas, informações anteriores ao parto e registrados os motivos e momentos de remoção. Os animais foram divididos em grupo Controle (n=3.271) e Intervenção (n=850). O percentual de fêmeas submetidas à intervenção manual no parto foi de 20,6%. Houve aumento na distribuição de intervenções na ordem de parto (OP) acima de 5 e no verão (P<0,05). A distribuição não diferiu entre as classes de tamanho da leitegada (P>0,05). Foi verificada diferença na média de OP (3,6 e 4,7), duração do parto (208,3 e 224,6 min), leitões nascidos vivos (11,9 e 11,6), natimortos (0,3 e 0,6) e no percentual de fêmeas com natimortos (28,6 e 38,8%) nos grupos Controle e Intervenção, respectivamente. A remoção geral foi maior no grupo Intervenção (P=0,001) e antes da IA por motivos não reprodutivos (P<0,001). No desempenho subsequente, houve diminuição da taxa de parto ajustada e do tamanho da leitegada subsequente (P<0,05). O experimento 2 visou avaliar o parto com e sem intervenção manual, estimar o desempenho lactacional e avaliar as causas de remoção e o desempenho reprodutivo subsequente destas fêmeas. Foram comparadas 319 fêmeas, divididas em dois grupos: Controle (n=222) e Intervenção (n=97). Todas as fêmeas com intervenção receberam uma dose de antimicrobiano. Foram coletados dados reprodutivos referentes ao parto, o peso dos leitões no dia 1 (D1), dia 14 (D14) e no dia 21 (D21), e a produção de leite no 14º dia de lactação, pela técnica da pesagem-mamada-pesagem. Foram analisadas as informações do desempenho subsequente e das causas de remoção das matrizes. Houve diferença (P<0,01) para as variáveis ordem de parto (3,2 e 4,0), leitões nascidos totais (12,2 e 11,2) e nascidos vivos (11,4 e 10,2) e número de natimortos (0,5 e 1,0) entre os grupo Controle e Intervenção, respectivamente. A produção de leite, aos 14 dias, não diferiu, porém o peso dos leitões aos 21 dias tende a ser menor (P=0,09) no grupo Intervenção. Houve diferença (P<0,05) nas remoções gerais (18,9 e 32,0%) e antes da IA (8,6 e 20,6%), sendo destas por motivos não reprodutivos (8,6 e 19,6%) entre os grupos Controle e Intervenção, respectivamente. Os resultados conjuntos mostram que a intervenção manual ao parto é efetuada com maior freqüência no verão, em fêmeas de maior ordem de parto e com menor tamanho da leitegada. Nestas fêmeas, o parto é mais prolongado e o número de natimortos é maior. A produção de leite, aos 14 dias, não é prejudicada, porém o peso dos leitões aos 21 dias tende a ser menor nas matrizes submetidas à palpação genital. As remoções são maiores nestas fêmeas, sendo realizadas antes da IA e por motivos não reprodutivos. As fêmeas submetidas à intervenção ao parto têm o desempenho reprodutivo subsequente reduzido.


Keywords


Intervenção manual ao parto; Estação; Reprodução; Produção de leite; Remoção; Suínos



DOI: https://doi.org/10.22456/1679-9216.16215

Copyright (c) 2018 Ana Paula Gonçalves Mellagi

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.