Resfriamento de sêmen suíno: efeito da temperatura de armazenamento, incubação prévia. taxa de resfriamento e diluentes

Lia Helena Katzer

Abstract


O trabalho constou de 5 experimentos efetuados com o intuito de avaliar o efeito da incubação prévia, da taxa de resfriamento, da temperatura de armazenamento e de diluentes sobre a viabilidade de sêmen suíno resfriado. Em todos os experimentos, as doses de sêmen de 100 mL, contendo 3 bilhões deespermatozóides, foram mantidas sob resfriamento por um período de 120h. Nos experimentos I, II, III e IV o diluente utilizado foi o BTS. No experimento V, além do BTS utilizou-se também o Androhep. Os parâmetros de avaliação da qualidade do sêmen foram os percentuais de motilidade (MOT), de acrossomas normais (NAR) e de membranas espermáticas íntegras (MI). Foram coletados de 5 a 7 ejaculados de 2, 6, 4, 8 e 4 machos nos experimentos I, II, III, IV e V, respectivamente. No experimento I, foram comparados três tratamentos: armazenamento a 17ºC (T1); armazenamento a 5ºC com incubação de 24h a 17ºC (T2) e armazenamento a 5ºC com queda rápida de temperatura (T3). Houve uma diminuição (P<0,05) na MOT e NAR nos T3 e T2 em relação ao T1. No experimento II, o T1 e T2 foram idênticos aos utilizados no experimento I e, no T3, o sêmen foi armazenado a 5ºC, após queda lenta de temperatura. O T1 apresentou melhores resultados (P<0,05) para MOT e MI em comparação ao T2 e T3. Não houve diferença (P>0,05) para MOT, NAR e MI entre T2 e T3. Não houve diferença (P>0,05) no NAR entre os tratamentos. No experimento III, foram avaliados 4 tratamentos: armazenamento a 17ºC (T1); 5°C com incubação de 24h a 17ºC (T2); 17ºC com incubação prévia de 8h a 22ºC (T3) e armazenamento a 5ºC (T4) com duas temperaturas e períodos de incubação (22ºC por 8h e 17ºC por 16h). Não houve diferença (P>0,05) na MOT, NAR e MI entre T1 e T3; e entre T2 e T4. O armazenamento a 17ºC (T1 e T3) apresentou maiores MOT e MI (P<0,05) quando comparado ao armazenamento a 5ºC (T2 e T4), a partir das 48h. No experimento IV, foram comparados o armazenamento a 17ºC (T1), a 12ºC (T2), a 12ºC com incubação de 24h a 17ºC (T3) e a 5ºC com incubação de 24h a 17ºC (T4). Não houve diferença (P>0,05) entre T1 e T3 nem entre T2 e T3 para MOT, NAR e MI. O sêmen armazenado a 5ºC (T4) apresentou menores (P<0,05) MOT, NAR e MI quando comparado aos T1, T2 e T3. No experimento V, seis tratamentos foram comparados tendo sido utilizados 2 diluentes (BTS e Androhep) e três temperaturas de armazenamento (17º, 12º e 5ºC). Não houve efeito dos diluentes (P>0,05) em nenhum dos parâmetros analisados. Não foi observada diferença (P>0,05) para MOT, NAR e MI entre as temperaturas de 17 e 12°C. O sêmen armazenado a 5ºC apresentou uma viabilidade inferior (P<0,05) quando comparado ao armazenado a 12 e 17°C. O sêmen suíno pode ser armazenado a 12ºC sem prejuízo para sua viabilidade. A incubação prévia e a queda lenta da temperatura diminuem a sensibilidade do sêmen suíno ao resfriamento a 5ºC, embora não seja mantida viabilidade comparável ao resfriamento a 17ºC, ao longo do armazenamento.


Keywords


Acrossoma; Diluentes; Espermatozóides; Sêmen; Suínos; Taxa de resfriamento



DOI: https://doi.org/10.22456/1679-9216.16201

Copyright (c) 2018 Lia Helena Katzer

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.