RAÇA E CIVILIDADE NOS JOGOS “PRETO X BRANCO”

Autores

  • Bruno Otávio de Lacerda Abrahão Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF
  • Antonio Jorge Gonçalves Soares UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.59026

Palavras-chave:

Futebol. Autocontrole. Relações raciais.

Resumo

São Paulo assistiu nas décadas de 20 e 30 do Século XX a realização do jogo “Preto X Branco”, partida de futebol cuja singularidade era opor autodeclarados pretos contra brancos. O objetivo deste artigo foi interpretar o significado do autocontrole da violência nesses jogos, a partir da percepção da imprensa da época. Utilizamos como fontes as matérias dos periódicos paulistas de 1927-1931. Concluímos que a ausência de manifestações de violência nesses jogos rituais era interpretada como prova do nível de desenvolvimento e da afirmação da convivência pacífica e civilizada entre as principais raças formadoras da nação brasileira.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Otávio de Lacerda Abrahão, Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF

Especialista em Filosofia pela UFOP; Mestre e Doutor em Educação Física pela Universidade Gama Filho, área de concentração "Educação Física e cultura". Professor Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF.

Downloads

Publicado

2016-12-18

Como Citar

ABRAHÃO, B. O. de L.; SOARES, A. J. G. RAÇA E CIVILIDADE NOS JOGOS “PRETO X BRANCO”. Movimento, [S. l.], v. 22, n. 4, p. 1137–1148, 2016. DOI: 10.22456/1982-8918.59026. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/59026. Acesso em: 27 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais