Os almanaques e a circulação social dos objetos culturais: bibliografias, coleções, rastros de leitura

Autores

  • Regina Maria Marteleto PPGCI/IBICT-UFRJ
  • Stella Moreira Dourado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245250.354-372

Palavras-chave:

Almanaque. Bibliografia. Coleção. Informação. Leitura.

Resumo

Almanaques são pequenas ou grandes brochuras, escritos populares de tempo secular, publicados desde o século XV, na Europa, produzidos e difundidos com múltiplos propósitos, dentre eles o de circular informações úteis, manter e renovar tradições culturais, relatar os eventos e personagens do seu tempo. São considerados como a versão mais completa dos anuários e calendários e conservam uma relação especial com a passagem do tempo. Cada país tem uma história de almanaques. No Brasil os de maior circulação foram os almanaques de farmácia, dentre eles o do Biotônico Fontoura. Eram publicados pelos laboratórios farmacêuticos e distribuídos pelas farmácias. E o Lunário Perpétuo, este de grande difusão e uso no Nordeste do país, principalmente pelas mãos de poetas, artistas populares, cantantes, emboladores que nele buscavam inspiração. No entanto, e apesar de seu significado social, cultural e informacional em cada época, esses livretos quase se perderam, sobretudo no Brasil, restando poucas coleções dispersas. O intento desse artigo é o de refletir sobre o modo de existência desses objetos culturais, com foco na sua circulação social, nas estratégias editoriais empregadas pelos seus produtores, além dos seus rastros de leitura e permanência. Para tanto, recorre-se a algumas bibliografias e a uma coleção particular, de modo a alcançar uma compreensão sobre a dimensão documentária dos almanaques.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Maria Marteleto, PPGCI/IBICT-UFRJ

É bolsista de produtividade em pesquisa/CNPq, com doutorado em Comunicação e Cultura, pela ECO/UFRJ. Pesquisadora titular do Ibict/MCTI. Docente do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação/PPGCI/ IBICT/UFRJ. Representante e responsável científica, pelo Brasil, da Rede Franco-Brasileira de Pesquisadores em Mediações e Usos Sociais de Saberes e Informação (Rede Mussi). Coordena o grupo de pesquisa Cultura e processos infocomunicacionais (Culticom). Estuda redes sociais no campo científico e na intervenção social, com foco na saúde; narrativas e linguagens da informação; teoria social e interdisciplinaridade na construção de objetos informacionais.

Stella Moreira Dourado, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

Doutora em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) em convênio com a Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ (2018). Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Bahia (2012). Bacharel em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade Federal da Bahia (2009) e em Comunicação Social - Produção Editorial pela Faculdade Hélio Rocha (2006). Bibliotecária Documentalista da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO. Atua na área de Ciência da Informação realizando estudos sobre Cultura e processos infocomunicacionais e tecnologias de acesso e uso da informação digital.

Referências

ALMEIDA, Argus Vasconcelos de. Saberes e práticas de cura no "Lunário Perpétuo" de Gerónimo Cortés e sua influência no Nordeste brasileiro. Olinda, PE, 2012.

BASTOS, Cristina; BARRETO, Renilda (orgs.). A circulação do conhecimento: medicina, redes e impérios. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2012.

BOURDIEU, Pierre. O mercado de bens simbólicos. In:______. A economia das trocas simbólicas. 6. ed. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2007, p. 99-182.

CAMARGO, Ana Maria de Almeida. Os primeiros almanaques de São Paulo. In: SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Cultura. Os primeiros almanaques de São Paulo. Introdução à Ed. fac-similar dos almanaques de 1857 e 1858. São Paulo: IMESP/DAESP, 1983.

CARNEIRO, Hamilton. Entrevista I. [dez. 2015]. Entrevistador: Stella Moreira Dourado. Goiância, 2015. 1 arquivo .mp4 (74 min.).

CARNEIRO. Entrevista II. [set. 2017]. Entrevistador: Stella Moreira Dourado. Rio de Janeiro, 2017. 1 arquivo .mp4 (56 min.).

CASA NOVA, Vera. Lições de Almanaque: um estudo semiótico. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1996.

CRIPPA, Giulia. A arte da bibliografia: ferramentas históricas, problemas metodológicos e práticas contemporâneas. Editorial. Informação & Informação, v. 20, n. 2, 2015, p. i-vi. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/23134/17340>.

DARNTON, Robert. O grande massacre de gatos: e outros episódios da história cultural francesa. 2a. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

DAVALLON, Jean. Objecto concreto, objecto científico, objecto de investigação. Prisma.com. Revista de Ciências e Tecnologias de Informação e Comunicação, n. 2, p. 33-48, 2006. Disponível em: <http://ojs.letras.up.pt/index.php/prismacom/article/view/2135/1968>.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Bobók. São Paulo: Ed. 34, 2013.

DOURADO, Stella Moreira. O almanaque enquanto documento de informação e comunicação popular escrita: a coleção da família Carneiro Rezende. 163 f. 2018. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Comunicação, Rio de Janeiro, 2018.

KRIKORIAN, Sandrine. La table du roi dans l'image populaire: les repas de Louis XIV dans les almanachs. In; DUPRAT, Annie. 132e. Congrès national des sociétés historiques et scientifiques. Actes. Arles: Ed.du CTHS: 2007, p. 18-31.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário/Ticiano, Ovídio e os códigos da figuração erótica no século XVI. In: GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Cia. das Letras, 1989.

GOMES, Mário Luiz. Vendendo saúde! Revisitando os antigos almanaques de farmácia. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, v.13, n. 4, p. 1007-18, out.-dez, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v13n4/11.pdf>.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Cidades. 2016. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=521010&search=goiás|ipameri>.

MARTELETO, Regina Ma.; DAVID, Helena Ma. S.L. Almanaque do Agente Comunitário de Saúde: uma experiência de produção compartilhada de conhecimentos. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 18, n. 2, p.1211-1226, 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622013.0479>.

MEYER, Marlyse. Do almanak aos almanaques. São Paulo: Atelier Editorial, 2001.

MEYRIAT, Jean. La bibliographie. In: COUZINET, Viviane; RAUZIER, Jean-Michel. Jean Meyriat, théoricien et praticien de l'information-documentation. Paris: ADBS Éditions, 2001.

PARK, Margareth Brandini. Histórias e leituras de almanaques no Brasil. Campinas, SP: Mercado das Letras: Associação de Leitura do Brasil; São Paulo: FAPESP, 1999.

PELLEGRINI FILHO, Américo. Comunicação popular escrita. São Paulo: EDUSP, 2009.

PORTUGAL. Biblioteca Nacional. Os sucessores de Zacuto: o almanaque na Biblioteca Nacional do século XV ao XXI. Lisboa: Biblioteca Nacional, 2002.

Downloads

Publicado

2019-10-17

Como Citar

MARTELETO, R. M.; DOURADO, S. M. Os almanaques e a circulação social dos objetos culturais: bibliografias, coleções, rastros de leitura. Em Questão, Porto Alegre, v. 25, p. 354–372, 2019. DOI: 10.19132/1808-5245250.354-372. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/92432. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Fórum Internacional A Arte da Bibliografia