O patrimônio institucionalizado pela perspectiva do gesto: aproximações entre Bibliografia e Arquivologia

Autores

  • Maira Cristina Grigoleto Universidade Federal do Espírito Santo/Departamento de Pós-Graduação em Ciência da Informação/Departamento de Graduação em Arquivologia

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245250.194-215

Palavras-chave:

Patrimônio. Bibliografia. Arquivologia. Documentação patrimonial. Gesto.

Resumo

Aborda a questão do patrimônio institucionalizado considerando a forma como os agentes preservacionistas articulam e transpõem, no ato de documentar, as determinações institucionais, legais e administrativas para a racionalização da enunciação patrimônio. O agenciamento no processo de representação de informações e valores dos objetos do passado é que fundamenta o objetivo geral deste trabalho: a aproximação entre a Bibliografia e a Arquivologia pela perspectiva do gesto. Os objetivos específicos são: apresentar o saber/fazer dos agentes preservacionistas pelos vieses técnico, legal, administrativo e burocrático; investigar, a partir de processos e produtos, indícios de uma arte de saber/fazer; e indicar perspectivas para o aprofundamento de entendimentos sobre as potências e as potencialidades dos agentes preservacionistas para além de enquadramentos disciplinares, científicos e burocráticos. As discussões propostas encontram respaldo teórico-conceitual na Teoria do Documento e nas reflexões de Michel Foucault. Este estudo teórico-epistemológico é desenvolvido a partir de revisão de literatura. Os resultados indicam dois apontamentos: a documentação patrimonial como dispositivo de mediações e o gesto como vetor de força no fazer preservacionista. As considerações revelam a contribuição da Bibliografia, em especial do gesto bibliográfico, para o reconhecimento de traços e traçados do saber/fazer preservacionista; e a relevância da aproximação entre a Bibliografia e a Arquivologia para abordagens diferenciais sobre as práticas de representação e seus desdobramentos no campo do patrimônio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maira Cristina Grigoleto, Universidade Federal do Espírito Santo/Departamento de Pós-Graduação em Ciência da Informação/Departamento de Graduação em Arquivologia

Professora do Curso de Pós-Graduação em Ciência da Informação e do Curso de Graduação em Arquivologia da Universidade Federal do Espírito Santo. Possui experiência em Ciência da Informação, Arquivologia e História.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Notas sobre o gesto. Artefilosofia, Ouro Preto, n. 4, p. 9-14, jan. 2008. Disponível em: http://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/raf/article/view/731/687. Acesso em: 20 jan. 2018.

ALVARES JÚNIOR, Laffayete de Souza; SALDANHA, Gustavo Silva. A bibliografia como ciência. [Tradução do artigo de GUILD, Reuben A. Bibliography as science. American Library Journal, v. 1, n. 2-3, p. 67-69, nov. 1876.]. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 22, número especial, p. 199-202, jul. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pci/v22nspe/1413-9936-pci-22-spe-00199.pdf. Acesso em: 10 set. 2017.

ARANTES, Antonio Augusto. Documentos Históricos, Documentos de Cultura. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 22, p. 48-55, 1987. Disponível em: http://docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=reviphan&pagfis=7911. Acesso em: 20 fev. 2019.

ARAÚJO, André Vieira de Freitas. Pioneirismo bibliográfico em um polímeta do séc. XVI: Conrad Gesner. Informação & Informação, Londrina, v. 20, n. 2, p. 118-142, maio/ago. 2015. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/23127/pdf_62. Acesso em: 10 set. 2017.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nº 1/1992 a 76/2013, pelo Decreto Legislativo nº 186/2008 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão nº 1 a 6/1994. 40.ed. com índice. Brasília: Centro de Documentação e Informação (CEDI), 2013. 464 p. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/Constituicoes_Brasileiras/constituicao1988.html. Acesso em: 8 dez. 2017.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: UNESP, 2006. 288p.

CHUVA, Márcia. Por uma história da noção de patrimônio cultural no Brasil. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 34, p. 147-165, 2012. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/RevPat34_m.pdf. Acesso em: 17 nov. 2018.

COOK, Terry. Arquivologia e Pós-modernismo: novas formulações para velhos conceitos. Informação Arquivística, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 123-148, jul./dez. 2012. Disponível em: http://www.aaerj.org.br/ojs/index.php/informacaoarquivistica/article/view/9/20. Acesso em: 13 jun. 2019.

CRIPPA, Giulia. Entre arte, técnica e tecnologia: algumas considerações sobre a bibliografia e seus gestos. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 7, n. esp., p. 23-40, ago. 2016. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/incid/article/view/118748/116231. Acesso em: 10 set. 2017.

CRUZ MUNDET, José Ramón. Manual de archivística. Madrid: Fundación Germán Sánches Ruipérez, 2001.

FONSECA, Maria Cecília Londres. Da modernização à participação: a política federal de preservação nos anos 70 e 80. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro: n. 24, p. 153-163, 1996. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/RevPat24.pdf. Acesso em: 17 nov. 2018.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1999. (Coleção tópicos).

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2003. 160 p.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Tradução: Maria Ermantina. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005. 382p. (Coleção tópicos).

GRIGOLETO, Maira Cristina. A documentação patrimonial: gênese e fluxo dos processos de tombamento do Museu “Prudente de Moraes”. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Curso de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2009.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL – IPHAN. Programa de Gestão Documental do IPHAN. Rio de Janeiro: IPHAN/Copedoc, 2008. 156p. (Cadernos de pesquisa e documentação do IPHAN, 5). Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/CadPesDoc_5_ProgramaGestao_m.pdf. Acesso em: 17 ago. 2018.

LUND. N. W. Document Theory. ARIST, v. 43, n. 1, p. 399-432, 2009.

MENEZES, Vinícius. O gesto bibliográfico e a modernidade. Inf. Inf., Londrina, v. 20, n. 2, p. 168-183, maio/ago. 2015. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/23129/pdf_64. Acesso em: 29 out. 2017.

ORTEGA, Cristina; SALDANHA, Gustavo Silva. A noção de documento desde Paul Otlet e as propostas neodocumentalistas. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 18, p. 1-20, 2017, Marília. Anais [...]. Marília: UNESP/Campus de Marília, 2017. Disponível em: http://enancib.marilia.unesp.br/index.php/xviiienancib/ENANCIB/paper/viewFile/163/722. Acesso em: 09 nov. 2017.

ORTEGA, Cristina Dotta. O conceito de documento em abordagem bibliográfica segundo as disciplinas constituintes do campo. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 7, n. esp., p. 41-64, ago. 2016. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/incid/article/view/118749. Acesso em: 29 out. 2017.

PIANEZZA, Nolwenn. Le geste documentaire du chercheur indigène: production de traces et transmission des saviors. In: COLÓQUIO MUSSI 2018, 4, p. 1-14, 2018, Lille. Anais... Lille: Universidade de Lille SHS (França), 2018. Disponível em: https://mussi2018.sciencesconf.org/data/33_FR.pdf. Acesso em: 17 ago. 2018.

SALDANHA, Gustavo Silva. A posição da Bibliografia na epistemologia de Peignot no setecentos. Informação & Informação, Londrina, v. 20, n. 2, p. 143-167, maio/ago. 2015. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/23128/pdf_63. Acesso em: 10 set. 2017.

SCHELLENBERG, Theodore Rooselvelt. Arquivos modernos: princípios e técnicas. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

SILVEIRA, Júlia Gonçalves da. Fontes de informação de antiquários: proposta de um modelo de análise e de categorização. 2006. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Curso de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação, Belo Horizonte, 2006.

Downloads

Publicado

2019-10-17

Como Citar

GRIGOLETO, M. C. O patrimônio institucionalizado pela perspectiva do gesto: aproximações entre Bibliografia e Arquivologia. Em Questão, Porto Alegre, v. 25, p. 194–215, 2019. DOI: 10.19132/1808-5245250.194-215. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/92381. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Fórum Internacional A Arte da Bibliografia