Análise bibliométrica da produção científica brasileira e do nordeste em Biotecnologia

Autores

  • José Erivaldo Bezerra de Freitas Universidade Federal do Ceará
  • Selma Elaine Mazzetto Universidade Federal do Ceará
  • Roniberto Morato do Amaral Universidade Federal de São Carlos
  • Leandro Innocentini Lopes de Faria Universidade Federal de São Carlos
  • Daniel Rodrigo Leiva Universidade Federal de São Carlos
  • Douglas Henrique Milanez Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245233.228-249

Palavras-chave:

Biotecnologia. Indicadores de Ciência & Tecnologia. RENORBIO. Bibliometria.

Resumo

A Biotecnologia consolida-se como um tema recorrentemente tratado como estratégico para o desenvolvimento do Brasil. Neste contexto, há necessidade de se investigar o impacto das políticas públicas de ciência e tecnologia, como os Planos Plurianuais e a Estratégia Nacional de Ciência e Tecnologia, que visam estimular a pesquisa científica na área. O objetivo deste artigo foi elaborar e analisar um conjunto de indicadores bibliométricos sobre a produção científica em Biotecnologia. O método utilizado compreendeu o uso da Bibliometria como técnica de análise de informações. A amostra analisada foi de 517.569 registros bibliográficos referentes à produção científica sobre Biotecnologia indexada na base de dados Web of Science, no período de 2001 a 2015. Os resultados alcançados compreenderam indicadores de produção e de colaboração científica nacional e internacional e apontam para o aumento da contribuição do Brasil frente à produção científica mundial neste assunto e o crescimento da importância das pesquisas realizadas pelas instituições da região nordeste do Brasil, bem como a colaboração entre elas. Conclui-se que a implementação de políticas públicas em ciência e tecnologia visando à redução das desigualdades regionais tem surtido efeito na área de Biotecnologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Erivaldo Bezerra de Freitas, Universidade Federal do Ceará

 Doutorando pela Universidade Federal do Ceara(2013). Estudou ENGENHARIA MECANICA pela Universidade Federal do Ceará (1991) e DIREITO pela Faculdade Farias Brito (2007). Possui especialização em DIREITO CONSTITUCIONAL pela Universidade Estácio de Sá (2010). Desde 2008 coordena o setor jurídico do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT-UFC) da Universidade Federal do Ceará. Possui experiência na área de Direito nos seguintes temas: prospecção tecnológica, propriedade intelectual, inovação tecnológica, transferência de tecnologia, gestão de inovação ,armas biológicas, direito ambiental, administrativo, constitucional, cível e criminal (inclusive tribunal do júri). Desde 2012 leciona na UFC como professor convidado.

Selma Elaine Mazzetto, Universidade Federal do Ceará

Bacharel em Química - Universidade de São Paulo (1987), Licenciada em Química - Universidade Federal do Ceará (2000), mestre em Química - Instituto de Química de São Carlos (1991), doutora em Química - Instituto de Química de São Carlos (1994), Pós-Doutorado - Wayne State University Detroit MI - USA (1995/1996) e Pós-Doutorado - Università di Salento - Itália (2002-2003). Pertence ao banco de avaliadores do INEP-MEC-SINAES (Institucional e de Cursos de Graduação). Professor Titular da Universidade Federal do Ceará - Departamento de Química Orgânica e Inorgânica, desenvolve suas pesquisas atuando na fronteira entre a Química Orgânica/Inorgânica. Fundadora e gestora do Laboratório de Produtos e Tecnologia em Processos ? LPT onde reúne competências voltadas para a melhoria dos processos produtivos em escalas de bancada e piloto, assim como para a concepção e o desenvolvimento de novas tecnologias, buscando soluções aplicáveis a processos e produtos industriais nas áreas da Química Fina, Química Verde, Tecnologia Química, Biotecnologia, Biodiversidade e Conservação, Aproveitamento de Resíduos, Energias Renováveis e Novos Materiais, visando o aproveitamento da biomassa regional, formação de recursos humanos, inovação tecnológica com transferência de tecnologias para o setor produtivo, sustentabilidade industrial e proteção intelectual. Credenciada junto aos programas de pós-graduação de Química (1997-atual) e Rede Nordeste de Biotecnologia-RENORBIO (2007-atual). No per;iodo entre 2008-2015 atuou na coordenação e gerenciamento da Coordenadoria de Inovação Tecnológica da UFC (CIT-UFC).

Roniberto Morato do Amaral, Universidade Federal de São Carlos

Professor Adjunto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), vinculado ao Departamento de Ciência da Informação. Pesquisador do Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais da UFSCar (NIT/Materiais). Doutor (2010) e Mestre (2006) em Engenharia de Produção e Bibliotecário (2003) pela UFSCar. Atuo na investigação da atividade de Inteligência Competitiva com base na abordagem das competências e sua aplicação à gestão tecnológica e inovação, por intermédio da elaboração e análise de indicadores de produção científica e tecnológica.

Leandro Innocentini Lopes de Faria, Universidade Federal de São Carlos

Professor Adjunto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) desde 2002, vinculado ao Departamento de Ciência da Informação. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da UFSCar. Coordenador executivo do Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais da UFSCar. Atuação em Ciência da Informação, Prospecção Tecnológica, Inteligência Competitiva, Bibliometria e Indicadores de C&T. Engenheiro de Materiais pela UFSCar (1994). Doutor em Ciência e Engenharia dos Materiais pela Universidade Federal de São Carlos (2001) e em Ciência da Informação e Comunicação pela Universite dAix-Marseille III (2001).

Daniel Rodrigo Leiva, Universidade Federal de São Carlos

Professor adjunto do Departamento de Engenharia de Materiais da Universidade Federal de São Carlos. Possui graduação (2003) e mestrado (2006) em Engenharia de Materiais pela UFSCar. Doutor em Física de Materiais pela Université Joseph Fourier, de Grenoble, França, e em Ciência e Engenharia de Materiais pela UFSCar (2009), tendo desenvolvido sua tese em cotutela entre as duas universidades. Durante o período de doutoramento em Grenoble, realizou suas atividades de pesquisa no Institut Louis Néel/CNRS. Foi professor doutor da Faculdade de Ciências Aplicadas da UNICAMP, e atuou como coordenador dos cursos de graduação em Engenharia da unidade. Tem experiência na coordenação de diferentes tipos de projetos financiados, nas áreas de ensino, pesquisa e extensão. É revisor de diversos periódicos, como Journal of Alloys and Compounds, International Journal of Hydrogen Energy, Powder Technology, Materials and Design, entre outros. Seus assuntos de interesse incluem: materiais para armazenagem de hidrogênio, nanomateriais, informação tecnológica, seleção de materiais, ensino de Engenharia. No DEMa/UFSCar, é atualmente coordenador institucional do Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais - NIT/Materiais, e coordenador do curso de graduação em Engenharia de Materiais.

Douglas Henrique Milanez, Universidade Federal de São Carlos

Possui graduação em Engenharia de Materiais pela Universidade Federal de São Carlos (2009), mestrado em Programa de Pós Graduação em Ciência e Engeharia de Materiais pela Universidade Federal de São Carlos (2011) e doutorado em Ciëncia e Engenharia de Materiais pela Universidade Federal de São Carlos (2015). Atualmente é professor substituto da Universidade Federal de São Carlos. Tem experiência na área de Engenharia de Materiais e Metalúrgica, com ênfase em Engenharia de Materiais e Metalúrgica, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão, bibliometria, indicadores de ciência e tecnologia, nanotecnologia, análise de patentes e nanomateriais.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Tesauro Eletrônico. Biotecnologia. 2016a. Disponível em: <http://bvsms2.saude.gov.br/cgi-bin/multites/mtwdk.exe?k=default&l=60&w=2259&n=1&s=5&t=2>. Acesso em: 26 fev. 2016.

BRASIL. Lei nº 10.332, de 19 de dezembro de 2001. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 20 dez. 2001a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10332.htm>. Acesso em: 26 fev. 2016.

BRASIL. Lei nº 11.105, de 24 de março de 2005. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 28 mar. 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11105.htm>. Acesso em: 4 mar. 2016.

BRASIL. Lei nº 13.123, de 20 de maio de 2015. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 21 maio 2015. Disponível em: <http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=1&data=21/05/2015>. Acesso em 14 abr. 2016.

BRASIL. Medida provisória nº 2.186-16, de 23 de agosto de 2001. Diário Oficial [d]a União, Brasília, DF, 24 ago. 2001b. Disponível em: <http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=11&data=24/08/2001>. Acesso em: 14 abr. 2016.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2012 – 2015. Brasília, DF, 2012. Disponível em: <http://www.mct.gov.br/upd_blob/0218/218981.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2016.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. PPA 2012-2015. 2016a. Disponível em: <http://www.planejamento.gov.br/assuntos/planejamento-e-investimentos/plano-plurianual>. Acesso em: 4 mar. 2016.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Proposta da estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019. Brasília, DF, 2016b. Disponível em: <http://www.mcti.gov.br/documents/10179/35540/Estrat%C3%A9gia+Nacional+de+Ci%C3%AAncia%2C%20Tecnologia+e+Inova%C3%A7%C3%A3o+%28Encti%29%202016-2019+-+documento+para+discuss%C3%A3o/5a4fe994-955e-4658-a53c-bc598af09f7e>. Acesso em: 13 abr. 2016.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. Descentralização do fomento à ciência, tecnologia e inovação no Brasil. 2010. Disponível em: . Acesso em: 4 mar. 2016.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. Diretrizes estratégicas do Fundo Setorial de Biotecnologia. 2002. Disponível em: <https://www.finep.gov.br/images/a-finep/fontes-de-orcamento/fundos-setoriais/ct-bio/diretrizes-estrategicas-para-o-fundo-setorial-de-biotecnologia.pdf>. Acesso em: 4 mar. 2016.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. Plano de ciência, tecnologia e inovação para desenvolvimento sustentável do nordeste brasileiro. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. The brazilian innovation system: a mission-oriented policy proposal. 2016. Disponível em: <https://www.cgee.org.br/the-brazilian-innovation-system>. Acesso em: 4 mar. 2016.

DALPÉ, R. Bibliometric analysis of biotechnology. Scientometrics, Dordrecht, v. 55, n. 2, p. 189-213, 2002. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1023/A:1019663607103>. Acesso em: 14 abr. 2016.

DAVYT, A.; VELHO, L. A avaliação da ciência e a revisão por pares: passado e presente. Como será o futuro? História, Ciências, Saúde: Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 93-116, 2000.

FARIA, L. I. L. de et al. Análise da produção científica a partir de publicações em periódicos especializados. In: FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Indicadores de ciência, tecnologia e inovação em São Paulo 2010. São Paulo, 2010.

FREEMAN, C.; SOETE L. Developing science, technology and innovation indicators: what we can learn from the past. Research Policy, Amsterdam, v. 38, n. 4, p. 583-589, 2009. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0048733309000237>. Acesso em: 14 abr. 2016.

GLANZEL, W. et al. Biotechnology: an analysis based on publications and patents. 2003. Disponível em: <http://www.steunpuntoos.be>. Acesso em: 14 abr. 2016.

GOKHBERG, L. Indicators for science, technology and innovation on the crossroad to foresight. In: MEISSNER, D.; GOKHBERG, L.; SOKOLOV, A. (Ed.). Science, technology and innovation policy for the future. Heidelberg: Springer-Verlag, 2013. p. 257-288. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1007/978-3-642-31827-6_15>. Acesso em: 14 abr. 2016.

GREGOLIN, J. A. R. et al. Análise da produção científica a partir de indicadores bibliométricos. In: FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Indicadores de ciência, tecnologia e inovação em São Paulo 2004. São Paulo, 2005. p. 1-44.

HUANG, M. H.; YANG, H. W.; CHEN, D. Z. Increasing science and technology linkage in fuel cells: a cross citation analysis of papers and patents. Journal of Informetrics, [S.l.], v. 9, n. 2, p. 237-249, 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1016/j.joi.2015.02.001>. Acesso em: 20 mar. 2016.

MOED, H. F.; GLÄNZEL, W.; SCHMOCH, U. (Ed.). Handbook of quantitative science and technology research: the use of publication and patent statistics in studies of S&T systems. New York: Kluwer Academic Publishers, 2004.

MOURA, A. M. M. Motivação para a pesquisa, determinação de parcerias e divisão da coautoria e coinvenção: principais critérios utilizados pelos pesquisadores da área da biotecnologia. Em Questão, Porto Alegre, v. 18, n. 3. Edição Especial, p. 29-45, dez. 2012. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/33025>. Acesso em: 15 maio 2016.

MOURA, A. M. M.; CAREGNATO, S. E. Co-classificação entre artigos e patentes: um estudo da interação entre C&T na biotecnologia brasileira. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 20, n. 2, p. 119-132, 2010. Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/3757/4362>. Acesso em: 15 maio 2016.

OKUBO, Y. Bibliometric indicators and analysis of research systems: methods and examples. 1997. Disponível em: <http://www.oecd-ilibrary.org/science-and-technology/bibliometric-indicators-and-analysis-of-research-systems_208277770603>. Acesso em: 12 abr. 2016.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Glossary of statistical terms. Paris, 2007. Disponível em: <http://stats.oecd.org/glossary/detail.asp?ID=198>. Acesso em: 12 abr. /2016.

PAYUMO, J. G.; SUTTON, T. C. A bibliometric assessment of ASEAN collaboration in plant biotechnology. Scientometrics, Dordrecht, v. 103, n. 3, p. 1043-1059, 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1007/s11192-015-1582-x>. Acesso em: 20 abr. 2016.

RENORBIO. Histórico: conheça melhor a história da Renorbio. 2016. Disponível em: <http://www.renorbio.org.br/portal/renorbio/historico.htm>. Acesso em: 12 abr. 2016.

SPINAK, E. Indicadores cienciometricos. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 27, n. 2, p. 141-148, 1998.

VANTI, N. A. P. Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 31, n. 2, p. 152-162, 2002.

VELHO, L.; SOUZA-PAULA, M. C. Introdução. In: CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. Avaliação de políticas de ciência, tecnologia e inovação: diálogo entre experiências internacionais e brasileiras. Brasília, DF, 2008. p. 9-18.

Downloads

Publicado

2017-08-21

Como Citar

DE FREITAS, J. E. B.; MAZZETTO, S. E.; AMARAL, R. M. do; FARIA, L. I. L. de; LEIVA, D. R.; MILANEZ, D. H. Análise bibliométrica da produção científica brasileira e do nordeste em Biotecnologia. Em Questão, Porto Alegre, v. 23, n. 3, p. 228–249, 2017. DOI: 10.19132/1808-5245233.228-249. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/69674. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)