O estudo da produção documental e a memória organizacional em ambientes empresariais

Autores

  • Natália Marinho do Nascimento Faculdade de Filosofia e Ciências - Unesp, Marília
  • Marcia Cristina de Carvalho Pazin Vitoriano Faculdade de Filosofia e Ciências - Unesp, Marília

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245231.202-227

Palavras-chave:

Memória Organizacional. Produção Documental. Ambientes Empresariais. Gestão da Informação. Gestão do Conhecimento.

Resumo

O estudo da produção documental permite que o arquivista compreenda quais são as funções e atividades que estão materializados em documentos. É por meio desse estudo que a gestão documental se inicia, possibilitando também a implantação da gestão da informação, da gestão do conhecimento e da memória organizacional. O objetivo deste trabalho é identificar como a memória organizacional contribui para as empresas e como a produção documental contribui para a preservação da memória organizacional. O presente trabalho constitui-se em pesquisa qualitativa, de caráter exploratório, utilizando-se como procedimento metodológico a pesquisa bibliográfica. Evidencia-se que a memória organizacional está estritamente ligada à gestão da informação e do conhecimento e que é a partir desta memória que os repositórios são transformados em repertórios de conhecimento, que subsidiam o processo decisório, garantindo que as organizações obtenham vantagem competitiva. Como resultado, entende-se que o estudo da produção documental e de seu contexto é o que vai dar suporte para os profissionais desenvolverem a memória organizacional nos ambientes empresariais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Marinho do Nascimento, Faculdade de Filosofia e Ciências - Unesp, Marília

Cursando doutorado em Ciência da Informação; Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP;

Mestre em Ciência da Informação; Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP; 

Graduada em Arquivologia; Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP.

Marcia Cristina de Carvalho Pazin Vitoriano, Faculdade de Filosofia e Ciências - Unesp, Marília

Doutora em História Social; Universidade de São Paulo;
Docente do Departamento de Ciência da Informação; Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP.

Referências

BELLOTTO, H. L. Reflexões sobre o conceito de memória no campo da documentação administrativa. In: Arquivos Permanentes: tratamento documental. Rio de Janeiro: FGV, 2004. p. 271-278.

BERNARDES, I. P.; DELATORRE, H. Gestão documental aplicada. São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2008. 54 p. Disponível em: <http://amormino.com.br/livros/00000000-gestao-documental-aplicada.pdf>. Acesso em: 16 jan. 2015.

BRASIL. Lei nº 8.159, 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 9 jan. 1991. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/LEIS/L8159.htm> Acesso em: 15 abr. 2016.

CARVALHO, E. L. De; LONGO, R. M. J. Informação orgânica: recurso estratégico para a tomada de decisão. Informação & Informação, Londrina, v. 7, n. 2, p. 113-133, jul./dez. 2002.

COSTA, I. T. M. Memória institucional: a construção conceitual numa abordagem teórico-metodológica. 1997. 169 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). CNPq/Ibict/UFRJ/ECO, Brasília, 1997.

DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. 15. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DELMAS, B. Arquivos para quê?. São Paulo: Instituto Fernando Henrique Cardoso, 2010.

DURANTI, L. Registros documentais contemporâneos como provas de ação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 49-64, 1994.

DURANTI, L. The archival bond. Archives and Museum Informatics. Vancouver (Canadá): Kluwer Academic Publishers, v.11, p. 213-218, 1997.

ETZIONI, A. Organizações Modernas. São Paulo: Pioneira, 1976.

FREIRE, P. S. et al. Memória organizacional e seu papel na gestão do conhecimento. Revista de Ciências da Administração, Florianópolis, v. 14, n. 33, p. 41-51, ago. 2012. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/adm/article/view/25324>. Acesso em: 21 out. 2016.

GONÇALVES, J. Como classificar e ordenar documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, 1998. (Projeto como fazer; v. 2).

HOUAISS, A. Grande dicionário Houaiss de Língua Portuguesa. Beta. Rio de Janeiro: Instituto António Houaiss, 2012.

IZQUIERDO, I. Memória. Porto Alegre: Artmed, 2002.

LOPEZ, A. P. A. Tipologia documental de partidos e associações políticas brasileiras. São Paulo: Loyola, 1999.

MACEDO, N. A. M. Criando uma arquitetura de memória corporativa baseada em um modelo de negócio. 2003. Tese (Doutorado em Informática) – Programa de Pós-Graduação em Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), Rio de Janeiro, 2003.

MENEZES, EDNA, M. Estruturação da memória organizacional de uma instituição em iminência de evasão de especialistas: Um estudo de caso da CONAB. 2006. 118 f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Conhecimento e da Tecnologia) - Universidade Católica de Brasília, 2006.

MIRANDA, R. C. da R. O uso da informação na formulação de ações estratégicas pelas empresas. Ciência da Informação, Brasília, v. 28, n. 3, p. 284-290, set./dez. 1999.

NASCIMENTO, N. M. do. Tipos documentais e fluxos de informação como

subsídios para o processo decisório em ambientes organizacionais. 2014. 191f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC), Universidade Estadual Paulista (Unesp), Marília, 2014.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Revista Projeto História, São Paulo, n. 10, dez. 1993.

OLIVEIRA, S. Memória Institucional: lugar de (re) construção de uma memória coletiva?. In: SOUTO, L. (Org.). Gestão da Informação e do Conhecimento: práticas e reflexões. Rio de Janeiro: Interciência, 2014.

PAZIN-VITORIANO, M. C. C. Centros de memória empresarial: documentos de arquivo como artefatos da cultura organizacional In: OLIVEIRA, L. M. V.; OLIVEIRA, I. C. B. Preservação, acesso, difusão: desafios para as instituições arquivísticas no século XXI. Rio de Janeiro: AAB, 2013. p. 916-927.

PAZIN-VITORIANO, M. C. C.. Obrigação, controle e memória: aspectos legais, técnicos e culturais da produção documental de organizações privadas. 2012. 355 f. Tese (Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, 2012.

PAZIN, M. Arquivos de empresas: Tipologia Documental. Associação de Arquivistas de São Paulo: São Paulo, 2005.

PÉREZ-MONTORO GUTIÉRREZ, M. Identificación y representación del conocimiento organizacional: la propuesta epistemológica clásica. Barcelona: FUOC, 2004.

PONJUÁN DANTE, G. Gestión de información: dimensiones e implementación para el éxito organizacional. Rosario: Nuevo Paradigma, 2004. 208 p.

MELGAR-SASIETA, H. A. M.; BEPPLER, F. D.; PACHECO, R. C. S. A memória organizacional no contexto da engenharia do conhecimento. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, ago. 2011.

SIMIÃO, H. E. Memória organizacional. Curitiba: Companhia de Informática do Paraná, c2009. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2016.

VALENTIM, M. L. P. O processo de inteligência competitiva em organizações. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 1-24, jun. 2003.

VITORINO, E. V; PIANTOLA, D. Competência informacional – bases históricas e conceituais: construindo significados. Ciência da Informação, Brasília, v. 38. n. 3, p. 130-141, set./dez. 2009.

WILSON, T. D. Information management. In: FEATHER, J.; STURGES, P. International encyclopedia of Information and Library Science. Londres: Routledge, 2003.

Downloads

Publicado

2017-01-01

Como Citar

NASCIMENTO, N. M. do; VITORIANO, M. C. de C. P. O estudo da produção documental e a memória organizacional em ambientes empresariais. Em Questão, Porto Alegre, v. 23, n. 1, p. 202–227, 2017. DOI: 10.19132/1808-5245231.202-227. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/65931. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)