ANÁLISE DA CIDADE BAIXA COMO POLO CRIATIVO POTENCIAL

Lisiane Closs, Sidinei Rocha-de-Oliveira

Resumo


A Economia Criativa recebe atenção crescente, pois contribui para um desenvolvimento centrado nas pessoas e é insumo para a criação de empregos e inovação, favorecendo: a inclusão social, a diversidade cultural e a sustentabilidade. Para ampliar a sua discussão no Brasil, este trabalho tem por objetivo analisar as potencialidades, os desafios e os limites para um território localizado no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, constituir-se como polo criativo. Entre os aspectos favoráveis destacam-se: a localização, o patrimônio histórico e o ambiente, que reúne arte e cultura, bares, restaurantes e casas de espetáculos, tornando-o atrativo para o turismo; a aceitação da diversidade; a concentração de empreendimentos criativos e o interesse de moradores e empreendedores no seu desenvolvimento como espaço criativo. Entre as limitações estão: as disputas entre moradores, os proprietários de bares e os promotores de eventos; a falta de comunicação; a ausência de laços fortes e de articulação entre atores ligados à economia criativa em prol de objetivos comuns; o risco de supervalorização de imóveis na região e de afastamento de artistas e estudantes para outros bairros, descaracterizando o seu tecido constituinte. Entre os desafios para o seu desenvolvimento estão: o aumento da segurança e o resgate das suas origens históricas e do seu patrimônio material e imaterial. 


Palavras-chave


economia criativa; território; polo criativo

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




REAd - Revista Eletrônica de Administração 

Escola de Administração - UFRGS |

Rua Washington Luiz, 855 - 1° Andar - Porto Alegre/RS - Brasil | CEP: 90010-460

Correio eletrônico: ea_read@ufrgs.br