Do documentário histórico ao imaginário antropológico do regime militar brasileiro: uma leitura simbólica sobre o golpe de 1964

Eduardo Portanova Barros, Danilo Fantinel

Resumo


Este artigo oferece uma leitura simbólica sobre o imaginário que movimenta seis filmes documentários relativos ao regime militar brasileiro. Elegemos os Estudos do Imaginário como heurística apropriada à revelação de imagens simbólicas, simbolismos e narrativas míticas estimuladas pelas representações fílmicas tanto do governo de João Goulart quanto do golpe civil-militar que o tirou da Presidência da República. A partir de documentação audiovisual, acessamos os elementos constitutivos do imaginário que move as obras. Assim, esperamos proporcionar uma complementação ao entendimento sobre esse período obscuro da sociedade brasileira, bem como oferecer uma abordagem alternativa à pesquisa em Comunicação sobre documentários históricos.

Palavras-chave


Comunicação. Regime militar. Ditadura brasileira. História do Brasil. Imaginário. Documentário.

Texto completo:

PDF




Intexto | E-ISSN 1807-8583

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: intexto@ufrgs.br

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos