A experiência do reconhecimento na configuração transpolítica do social

Angela Pintor dos Reis

Resumo


Este estudo discute as razões pelas quais a configuração transpolítica do social colabora para a problematização do reconhecimento como experiência intersubjetiva na vida social mediada pelo modus operandi dromocrático da cibercultura. A reflexão baseia-se em pesquisa bibliográfica a fim de encontrar relações entre as concepções de transpolítica em Trivinho, Virilio e Lotringer, e Baudrillard; a conceituação do terceiro espírito do capitalismo por Boltanski e Chiapello; e a caracterização do reconhecimento por Honneth e Lévinas. O objetivo é apontar a formação de um tipo de autorreconhecimento como saída para a alteridade sentir-se valorizada na vida social “transpolitizada”.


Palavras-chave


Transpolítica. Reconhecimento. Cibercultura.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19132/1807-8583201738.41-59



Intexto | E-ISSN 1807-8583

Classificação Qualis: B1 - Ciências Sociais Aplicadas, Interdisciplinar, e História | B2 - Planejamento Urbano e Regional | B3 - Antropologia/Arqueologia, e Administração, Ciências Contábeis e Turismo. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: intexto@ufrgs.br

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos