Chamada de artigos: Primeiro Semestre de 2019 - Edição nº 50 da Revista Iluminuras

A empresa colonial ibérica maculou o destino da humanidade, desde o século XV, ao rasgar oceanos e violar territorialidades. Imagens que orientaram o pensamento europeu ao largo de séculos, principalmente entre os anos de 1580 e 1640, quando a união das duas coroas transforma o Atlântico em oceano espanhol, ainda permanecem significando em territórios outrora dominados. Seja pelo feito de Bartolomeu Dias, que em 1487 dobrou o Cabo da Boa Esperança, seja pelo desembarque de Cristóvão Colombo nas Antilhas, em 1492, ou, ainda, mais tarde, pelo perverso e tardio domínio português na África, o imaginário colonial ainda é materializável nos processos da cultura das ex-colônias das Américas e da África. Embora com particularidades nos processos colonialistas de Portugal e Espanha, violência, silêncio e perversão foram marcas perpetuadas pelos atores das forças coloniais, os quais impuseram uma dor infinda nas sociedades autóctones. É a partir dessa potência iníqua, fossilizada nos campos simbólicos do social, que se
naturalizou, nos registros oficiais dos Estados modernos, a violência contra aqueles que se situavam distantes das decisões do poder: negros, indígenas e mulheres. Essa condição dos sujeitos comuns, que denominamos, aqui, como pós-colonialidade, deu origem a um deslocamento subjetivo, que relegou à intersecção das culturas um
enorme contingente de pessoas nos espaços das metrópoles e das colônias; sujeitos que viveram longe das apologias nacionalistas, que habitaram, de fato, o fazer da história. Esse movimento gestou um estar entre a euforia e a disforia, entre o reconhecimento do outro e a negação de si, desvelando sensações de pertença e de (des)pertencimento do imaginário colonial. A chamada propõe-se a reunir artigos que abordem autores, obras e projetos artístico-literários, em gêneros artísticos diversos, que coloquem em perspectiva as articulações do imaginário ibérico que se apresentam pulverizadas pelo mundo em suas múltiplas materialidades (Literatura, Artes Visuais,
Fotografia, Perfomance, entre outras) desde o século XV até a contemporaneidade.


Organizadores:
Daniel Conte (Feevale-CNPq)
Rafael Hofmeister de Aguiar (IF-Rio Grande do Sul)
Ria Lemaire (Université de Poitiers)

Diretrizes para Autores: Serão aceitos artigos de autores brasileiros ou estrangeiros, em português, espanhol, inglês, francês e em línguas indígenas, sendo a correção linguística de responsabilidade do autor. A seleção dos artigos toma como referência
sua contribuição à Antropologia Social e áreas afins e, à linha editorial da revista, a originalidade do tema ou do tratamento dado ao mesmo, a consistência e o rigor da abordagem teórico-metodológica.

Os artigos deverão ser formatados com base nas Diretrizes para Autores disponíveis em: http://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/about/submissions#authorGuidelines e encaminhados à editoria, através do e-mail: iluminuras@ufrgs.br com cópia para Daniel Conte (Feevale-CNPq) – danielconte@feevale.br Rafael Hofmeister de
Aguiar (IF-Rio Grande do Sul) – rafael.aguiar@rolante.ifrs.edu.br Ria Lemaire (Université de Poitiers) – rialemaire@hotmail.com
Data limite para envio de propostas: 30 de março de 2019