Os Ordenados Pagos aos Professores de Primeiras Letras às Políticas de Valorização Profissional e Social

Eduardo Ferreira da Silva Caetano

Resumo


O artigo busca evidenciar as políticas de reconhecimento e valorização dos professores no processo histórico e propõe-se a analisar a fixação de ordenados insuficientes pagos aos professores de primeiras letras em Minas Gerais, bem como as políticas de reconhecimento profissional criadas pelos governos mineiros para a profissão do professor. Investiga ainda, no percurso histórico mineiro, alguns elementos que revelam como o professor passa a ser um trabalhador e as primeiras remunerações fixadas pelos governos e os tributos criados para financiar a educação. Por fim, desvela como os governos mineiros reconheciam a profissão, fixavam os salários e avaliavam as lutas pela constituição da carreira do professorado entre 1900 e 2014. 


Palavras-chave


Valorização dos professores. Ordenados insuficientes. Processo histórico.

Texto completo:

PDF

Referências


ADÃO, Áurea. As Escolas Régias (1772-1794). Lisboa: Fundação Caouste Gulbenkian, 1997.

ANDRADE, Renata Fernandes Maia; CARVALHO, Carlos Henrique. A Educação no Brasil Império: análise da organização da instrução na Província de Minas Gerais (1850- 1889). História da Educação, Porto Alegre, v. 13, n. 28 p. 105-133, maio, 2009.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as Metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho. São Paulo: Cortez, 1997.

ASSOCIAÇÃO de Professores Públicos de Minas Gerais. Atas. Belo Horizonte, 1931-1939.

BONACINI, Irma Luiz. A Maior Aula em Praça Pública: trabalho, política e imaginário das professoras primárias em Minas Gerais (1979-1980). Campinas: UNICAMP, 1992.

BRASIL. Lei de 15 de outubro de 1827. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 1827.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa as Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 1971.

BRASIL. O Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. Brasília: Ministério da Educação, 2007.

BRASIL. Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008. Regulamenta a Alínea “e” do Inciso III do Caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para Instituir o Piso Salarial Profissional Nacional para os Profissionais do Magistério Público da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 2008.

CARDOSO, Tereza Maria Rolo Fachada Levy. As Luzes da Educação. Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

CARRATO, José Ferreira. Igreja, Iluminismo e Escolas Mineiras Coloniais: notas sobre a cultura da decadência mineira setecentista. São Paulo: EDUSP, 1968.

COSTA, Gilvan Luiz Machado; OLIVEIRA, Dalila Andrade. O Trabalho Docente no Ensino Médio no Brasil: sujeitos e condições singulares. In: GOUVEIA, Andréa Barbosa; PINTO, José Marcelino de Rezende; CORBUCCI, Paulo Roberto (Org.). Federalismo e Políticas Educacionais na Efetivação do Direito à Educação no Brasil. Brasília: Ipea, 2011.

COSTA, Antônio Luiz Monteiro Coelho. As Reencarnações da Moeda Brasileira. 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2017.

CURY, Carlos Roberto Jamil. A Educação como Desafio na Ordem Jurídica. In: LOPES, Eliane Marta Santos Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes de; VEIGA, Cynthia Greive. 500 Anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

DI PIETRO, Maria Zanella. As Novas Regras para os Servidores Públicos. Cadernos FUNDAP, São Paulo, n. 22, 2001, p. 27-39.

DURÃES, Sarah Jane Alves. Escolarização das Diferenças: qualificação do trabalho docente e gênero em Minas Gerais (1860-1906). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2002.

FARIA FILHO, Luciano Mendes. Culturas e Práticas Escolares: escrita, aluno e corporeidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, nº 103, p. 136-149, mar. 1998.

FARIA FILHO, Luciano Mendes. Educação e Modernidade: a estatística como estratégia de conformação do campo pedagógico brasileiro (1850-1930). Educação e Filosofia, Uberlândia, n. 28, p. 175-201, jun. 2000.

FERNANDES, Rogério. Os Caminhos do ABC. Porto: Porto, 1994.

GONÇALVES, Irlen Antônio. Cultura Escolar: práticas e produção dos grupos escolares em Minas Gerais (1891-1918). 2004. 282 f. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

GONÇALVES, Irlen Antônio. Cultura Escolar: práticas e produção dos grupos escolares em Minas Gerais. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GUIMARÃES, Vicente. A Literatura Infantil e as Professoras Primárias. Educando, Belo Horizonte, nº 3, 1940.

GUIMARÃES; PORDEUS; CAMPOS (Org.). Estado para Resultados: avanços no monitoramento e avaliação da gestão pública em Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

HILSDORF, Maria Lúcia. Mestra Benedita Ensina Primeiras Letras em São Paulo (1828-58). In: CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: LEITURA E ESCRITA EM PORTUGAL E NO BRASIL (1500-1970), 1., 1998, Lisboa. Anais... Lisboa: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, 1998.

KUENZER, Acácia Zeneida. As Políticas de Formação: a constituição da identidade do professor sobrante. Educação e Sociedade, Campinas, v. 20, n. 68, p. 163-183, 1999.

KULESZA, Wojciech Andrzej. A Institucionalização da Escola Normal no Brasil (1870 - 1910). Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 79, n. 193, 1998.

MACHADO, José Timóteo Montalvão. II Centenário da Instrução Primária. Lisboa: Ministério da Educação Nacional, 1972.

MAGALHÃES, Jussara Maria de Pinho. Projeto Veredas, Desenvolvimento Profissional e Exercício da Docência: ouvindo professoras cursistas e seu tutor. Belo Horizonte, 2005.

MANIFESTO dos Professores Públicos Primários da Corte. Rio de Janeiro: J. Villeneuve e Cia, 1871.

MONLEVADE, João Antônio Cabral de. Valorização Salarial dos Professores: o papel do piso salarial profissional nacional como instrumento de valorização dos professores de educação básica pública. Campinas: UNICAMP, 2000

MINAS GERAIS. Lei nº 13, de 13 de março de 1835. Regula a Criação das Cadeiras de Instrução Primária, o Provimento, e os Ordenados dos Professores. Microfilme, Arquivo Público Mineiro, Caixa nº 1 1835-1851, Belo Horizonte, 1835.

MINAS GERAIS. Regulamento nº 41, de 16 de maio de 1857. Coleção de Leis, Resoluções e Regulamentos da Província de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1857.

MINAS GERAIS. Decreto nº 516, de 12 de junho de 1891. Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1891.

MINAS GERAIS. Mensagem 1896. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2016.

MINAS GERAIS. Lei nº 281, de 16 de setembro de 1899. Dá Nova Organização à Instrução Primária do Estado de Minas. Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1899.

MINAS GERAIS. Mensagem 1899. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2016.

MINAS GERAIS. Decreto nº 1.348, de 8 de janeiro de 1900. Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1900.

MINAS GERAIS. Lei nº 439, de 28 de setembro de 1906. Autoriza o Governo a Reformar o Ensino Primário, Normal e Superior do Estado, e dá outras Providências. Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1906.

MINAS GERAIS. Lei nº 752 de 27 de setembro de 1919. Dispõe sobre o Ensino Primário e Normal do Estado. Coleção das leis e decretos do estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1919.

MINAS GERAIS. Lei nº 800, de 27 de setembro de 1920. Reorganiza o Ensino Primário do Estado e Contém outras Disposições. Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1919.

MINAS GERAIS. Decreto nº 9.892, de 18 de março de 1931. Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1931.

MINAS GERAIS. Lei nº 869, de 05 de julho de 1952. Dispõe sobre o Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do estado de Minas Gerais. Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1952.

MINAS GERAIS. Relatório de Gestão 1999/2002. Coleção das leis e decretos do estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.

MINAS GERAIS. Lei nº 15.293 de 05 de agosto de 2004. Institui as Carreiras dos Profissionais de Educação Básica do Estado. Diário do Executivo, Belo Horizonte, 2004.

MINAS GERAIS. Lei nº 15.784, de 27 de outubro de 2005. Estabelece as Tabelas de Vencimento Básico das Carreiras dos Profissionais de Educação Básica e das Carreiras do Grupo de Atividades de Defesa Social, a que se Referem os Incisos VII a XI do Art. 1º da Lei nº 15.301, de 10 de Agosto de 2004, os seus Reajustamentos e Dispõe sobre a Vantagem Temporária Incorporável - VTI – e o Posicionamento dos Servidores nas Referidas Carreiras. Diário do Executivo, Belo Horizonte, 2005.

MINAS GERAIS. Decreto nº 45.527, de 31 de janeiro de 2010. Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

MINAS GERAIS. Lei nº 19.837, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2011. Promove Alterações Na Política Remuneratória das Carreiras do Grupo de Atividades da Educação Básica e das Carreiras do Pessoal Civil da Polícia Militar, e dá outras Providências. Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

NASCIMENTO, Cecília Vieira. Do Mestre-Escola à Professora: saberes e práticas docentes em seu processo de profissionalização – 1872/1906. In: CONGRESSO DE PESQUISA E ENSINO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM MINAS GERAIS, 2., 2003, Uberlândia. Anais... Uberlândia: UFU, 2003.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A Reestruturação do Trabalho Docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./dez., 2004.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. La Cuestión Docente: Brasil, las condiciones laborales de los profesores de educación básica. Buenos Aires: Laboratório de Políticas Públicas, 2008.

PEIXOTO, Ana Maria Casasanta. Lições de Minas: 70 Anos da Secretaria de Educação do Governo de Minas. Belo Horizonte: Governo do Estado de Minas Gerais; Secretaria da Educação, 2000.

SALES, Luís Carlos. O Valor Simbólico do Prédio Escolar. Teresina: EDUFPI, 2000.

SALES, Zeli Efigênia Santos de. O Conselho Geral da Província e a Política de Instrução Pública em Minas Gerais (1825-1838). In: OLIVEIRA, Bernardo Jefferson de; VAGO, Tarcísio Mauro. Histórias de Práticas Educativas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p. 81-96.

SAVIANI, Demerval. Formação de Professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 40, jan./abr. 2008.

SILVA, Eldra Carvalho da. Qualidade Social da Educação Pública: algumas aproximações. Caderno Cedes, Campinas, v. 29, n. 78, p. 216-226, maio/ago. 2009.

SUCUPIRA, Newton. O Ato Adicional de 1834 e a Descentralização da Educação. In: FÁVERO, Osmar (Org.). A Educação nas Constituintes Brasileiras: 1823-1988. Campinas: Editora Autores Associados, 1996.

TANURI, Leonor Maria. História da Formação de Professores. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 14, p. 61-88, maio/ago. 2000.

VIEIRA, Juçara Maria Dutra. Piso Salarial Nacional dos Educadores: dois séculos de atraso. Brasília: 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.17648/fineduca-2236-5907-v7-75191

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fineduca adota o formato de publicação contínua.

 

Fontes de Indexação:

LATINDEX

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.