O Branco da Barba de Alencar

Lucas Bento Pugliesi

Resumo


O presente artigo intentará demonstrar os artifícios retóricos da matriz greco-latina reaproveitados por José de Alencar na comédia “O demônio familiar” (1858), em especial no que concerne a representação do escravo “Pedro”. Através de um percurso historicista que passa pela ensaística de Alencar que precede à escritura da peça, assim como pela inserção desses discursos numa moldura maior da vida cultural do XIX, pretende-se demonstrar a intencionalidade subjacente ao decalque “neoclássico”, no que tange uma inescapável violência da representação, no contexto de um projeto civilizador, do qual tomou parte Alencar. 


Palavras-chave


Teatro Brasileiro; Século XIX; Comédia; Historiografia literária.

Texto completo:

PDF




Indexadores:   

Site da UFRGS

Site do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Letras

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)