ENTRE A MORTE DOS AMANTES E A MORTE DO AMOR: ROMEU E JULIETA EM MEMORIAL DE AIRES

Adriana da Costa Teles

Resumo


Este artigo discute a presença de Romeu e Julieta, de Shakespeare, no último romance de Machado de Assis, Memorial de Aires, publicado em 1908. Nossa intenção é mostrar como a última história criada pelo autor carioca retoma a tragédia e recria personagens e situações para ironizar e recontextualizar suas expectativas, especialmente no que diz respeito ao amor e ao relacionamento amoroso. Nossa discussão permite observar que o texto do escritor brasileiro proporciona um diálogo crítico e construtivo com o referencial shakespeariano, que revela muito das questões pertinentes ao amor de seu tempo.


Palavras-chave


Machado de Assis; Shakespeare; Intertextualidade

Texto completo:

PDF




Indexadores:   

Site da UFRGS

Site do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Letras

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)