CONEXÕES NEGREIRAS: CONTRABANDISTAS DE ESCRAVOS NO ATLÂNTICO SUL (RIO DA PRATA, 1730-1752)

Fábio Kühn

Resumo


O artigo procura mostrar como se construiu a hegemonia portuguesa no contrabando de escravos para o Rio da Prata durante a primeira metade o século XVIII. Na década de 1730 inicia-se um nova conjuntura, marcada por mudanças no contexto político e nova guerra anglo-espanhola que interrompeu as operações da South Sea Company no rio da Prata. Isso abriu caminho para o predomínio português, sendo que os traficantes luso-brasileiros passaram a tomar conta paulatinamente do negócio negreiro estabelecendo as conexões atlânticas necessárias para formação de uma rede de agentes envolvidos no comércio ilícito de cativos. O contrabando trans-imperial de escravos conectou os traficantes luso-brasileiros que operavam na Colônia do Sacramento aos dois principais portos negreiros da América portuguesa (Rio de Janeiro e Salvador).


Palavras-chave


tráfico de escravos - Asiento - contrabandistas - Atlântico Sul - Colônia do Sacramento

Texto completo:

PDF


Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul