Os saberes menores e a profanação acadêmica: os sentidos da experiência / Minor knowledge and academic profanation: the senses of experience

Mateus Freitas Cunda, Lívia Zanchet, Carolina Seibel Chassot

Resumo


Resumo

Este artigo se propõe a discutir a relação entre o saber acadêmico-científico e os saberes cotidianos, experienciais, locais. Esta relação geralmente encontra-se organizada por uma hierarquia estática, na qual os saberes acadêmicos são valorizados e os saberes locais são questionados ou invisibilizados. Problematizamos esta organização através da investigação dos efeitos que se produzem quando estes diferentes saberes se propõem ao encontro e à afetação mútua. Para isso, trazemos duas experiências de pesquisas realizadas com “usuários de saúde mental”, onde estes também foram pesquisadores, ocupando lugares normalmente reservados aos acadêmicos. A partir do que estas estratégias metodológicas produziram, foi possível evidenciar os tensionamentos de poder que atravessam a produção de conhecimento. Verificamos também a potência de desterritorialização destes “saberes menores” que operam agenciamentos inesperados, desestabilizam as fronteiras instituídas, e que em seus devires-pesquisadores podem profanar a academia e dessacralizar a produção de conhecimento. 

Palavras-chave: usuários de saúde mental; experiência; pesquisa-intervenção

 

Abstract

This article proposes to discuss the relationship between academic-scientific knowledge and everyday, experiential, local knowledge. This relationship is usually organized by a static hierarchy, in which academic knowledge is valued and local knowledge is questioned or made invisible. We propose here to problematize this division through the investigation of the effects that occur when these different knowledges meet in an encounter and are open to mutual affectation. We discuss two researches carried out with "mental health users", inwhich they were also researchers, occupying places usually reserved for academics. From what these methodological strategies produced, it was possible to evidence the power tensions that go through the production of knowledge. We also see the power of deterritorialization of these "minor knowledges", which operate unexpected assemblages, destabilize established boundaries, and which, in their becoming-researchers, may profanate the academy and desacralize the production of knowledge.

Keywords: mental health service users, experience; research intervention. 


Texto completo:

PDF


 Scientific Electronic Library Online          

 

ISSN: 2238-152X.