Edições anteriores

2013

v. 4, n. 1 (2013): Tradução Poética em suas Múltiplas Dimensões

Para um tradutor, poesia, ficção e a arte em geral tendem a transformar-se em experiências transculturais. A matéria que precisa ser traduzida não são somente as palavras, mas todo o universo de ressonâncias e conotações culturais, as atmosferas sensíveis  e a aura vibrante evocadas pelas constelações singulares das palavras. Acertar essa vibração estética envolve não somente o conhecimento da cultura, da história e do contexto específico nos quais a obra se insere, mas ainda uma delicada negociação com a sensibilidade e as posturas culturais dos leitores na língua de recepção.

2012

v. 3, n. 2 (2012): Literatura e Cultura da Antiguidade e sua Recepção em Épocas Posteriores

O atual número de Philia&Filia reúne artigos sobre a tragédia, o épico e a poetologia da Antiguidade grega, focando ora a história da recepção da tragédia, ora os vínculos entre tragédia, épica e eticidade na poesia clássica e nos seus renascimentos posteriores.

2011

Capa da revista

v. 2, n. 2 (2011): O Mal-Estar na Cultura e na Sociedade

A quarta edição da revista Philia&Filia é dedicado ao tema “O Mal-Estar na Cultura e na Sociedade" – visões caleidoscópicas das instabilidades da vida contemporânea. Os artigos desse número são o resultado do evento Mal-Estar na Cultura que aconteceu ao longo do ano 2010 com abordagens multidisciplinares que abriram perspectivas diversas sobre  a questão do mal-estar na cultura, na sociedade, na literatuar e nas artes, tal como Freud o abordou no início do século XX e tal como nós o analisamos na atualidade.

Capa da revista

v. 2, n. 1 (2011): O Mal-Estar na Cultura e nas Artes

A terceira edição da revista Philia&Filia é dedicado ao tema “O Mal-Estar na Cultura e nas Artes – visões caleidoscópicas das instabilidades da vida contemporânea. As contribuições são o resultado de um evento que se desdobrou ao longo do ano 2010 com abordagens multidisciplinares que abriram perspectivas diversas – e inusitadas – sobre  a questão do mal-estar, tal como foi visto por Freud no início do século XX e tal como o vemos hoje.


2010

Capa da revista

v. 1, n. 2 (2010): A Obra de J. M. Coetzee

Este número da revista Philia&filia apresenta o dossiê sobre a obra de J. M. Coetzee, abrindo um espaço interdisciplinar de reflexão sobre a arte e as idéias do autor. As contribuições dos colegas de diferentes países iluminam sob ângulos diversos as relações dos romances com a ética, a política e a expressão artística na África do sul e no mundo.

J.M. Coetzee não é apenas mais um Prêmio Nobel de literatura. É também um pensador agudo da atualidade, e seu olhar crítico para outros escritores e pensadores surpreende pela precisão e por uma intuitiva generosidade. “Durante os anos que passei como professor de literatura, orientando jovens em excursões por livros que sempre significavam mais para mim do que para eles, eu me reanimava dizendo a mim mesmo que no fundo eu não era um professor, mas um romancista.” – diz Senhor C, o narrador-ensaísta do romance Diário de um ano ruim. O personagem que reflete, como todas as figuras de Coetzee, alguns traços autobiográficos do  autor. A posição híbrida – entre pensador e poeta – salta aos olhos quando o Senhor C continua: “Mas agora os críticos entoam um novo refrão. No fundo ele não é romancista, dizem, mas um pedante que se mete a fazer ficção.” (Diário de um ano ruim, p. 203)

Capa da revista

v. 1, n. 01 (2010): Mutações do Conhecimento: O Renascimento do Homem Moderno

Tanto o Renascimento quanto nossa época atual são momentos de transição e conquista de novas fronteiras. Não somente no espaço cultural, como também nos campos científico, jurídico e político. Não é artificial compararmos a invenção da imprensa com as inovações digitais ou as descobertas das Américas com a globalização. Vivemos hoje transformações que têm uma estrutura comparável às do Renascimento e que acarretam desafios semelhantes. Estes surgem de modo multifacetado em áreas tão diversas quanto a ciência e a economia, a literatura e a arte, a filosofia, o direito e a música. Este primeiro número de Philia&Filia, dedicado ao tema “Mutações do Conhecimento: O Renascimento do Homem Moderno”, propõe um debate sobre os efeitos dos avanços científicos e artísticos, suas repercussões na a reflexão e na imaginação do homem moderno. Esse artigos, resultantes do evento de mesmo nome realizado em Agosto de 2007, objetivam refletir sobre a crescente dificuldade de acompanhar as transformações que parecem escapar às nossas intenções e previsões.


1 a 7 de 7 itens