TECNOLOGIAS E SAÚDE MENTAL: uma plataforma de jogos digitais para jovens com transtornos de desenvolvimento

Francisco Milton Mendes Neto, Karla Rosane do Amaral Demoly, Everton Jales de Oliveira, Mariza Souza Moura, Rafael de Almeida Rodrigues, Ramiro de Vasconcelos dos Santos Junior

Resumo


Esta pesquisa apresenta o percurso de implementação de uma plataforma de jogos digitais junto a oficinas que fazemos com jovens atendidos no CAPSi – Centro de Atenção Psicossocial da Infância e da Adolescência de Mossoró O aporte teórico que sustenta o trabalho considera especialmente os estudos de Gilbert Simondon sobre os processos de individuação dos seres vivo físico e técnico e as construções de Francisco Varela sobre o modo de funcionamento da cognição. A metodologia empregada no fazer é qualitativa integrando a tessitura de diários de bordo nas oficinas, a análise de dispositivos presentes em jogos e a escolha de tecnologias para o desenvolvimento da plataforma. Como resultados do trabalho, apresentamos deslocamentos e transformações cognitivas e afetivas que pudemos distinguir como recorrentes no percurso dos jovens autistas nas oficinas de jogos e o estágio final de desenvolvimento da plataforma que será validada em ambientes de saúde mental e educação.

Palavras-chave


Plataforma de jogos; Jovens; Autismo; Cognição; Saúde mental.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, G. et al. Extending reinforcement learning to provide dynamic game balancing. En Proceedings of the Workshop on Reasoning, Representation, and Learning in Computer Games, 19th International Joint Conference on Artificial Intelligence (IJCAI), 2005.

ANDRADE, L. C. et al. Mapa do Zoológico – Captura Cognitiva para Disfunção Executiva. XV SBIE – Simpósio Brasileiro de informática na Educação, Manaus, 2004.

HART, J. Preface. In: Simondon, G. Du mode d'existence des objets techniques. Paris: Aubier, 1989 [1958]. p. 1-14

KOSTER, R. Theory of fun for game design. O’Reilly Media, Inc., 2010.

MATURANA, H; VARELA, F. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Editora Palas Athena, 2001.

MONTE, W. S. do. Oficinando com jovens: análise de processos de atenção na experiência com jogos digitais. Dissertação (Mestrado em Ambiente, Tecnologia e Sociedade) – Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Mossoró/RN, 2014.

SILVA, A. S.. Desvelando o sentido da deficiência mental: uma leitura psicanalítica. Mental, Barbacena, v. 3, n. 4, jun. 2005. Disponível em . Acesso em 27 dez. 2015.

SILVA, M. P. Inteligência Artificial Adaptativa para Ajuste Dinâmico de Dificuldade em Jogos Digitais. Dissertação (Mestrado) -- Universidade Federal de Minas Gerais, 2015.

SIMONDON, G. Du mode d’existence des objets techniques. Paris: Aubier, 1958; 1989.

______ . L’individuation à la lumière des notions de forme et d’information. Grenoble: Jérôme Millon, 2009.

VARELA, F. Conhecer: as ciências cognitivas tendências e perspectivas. Lisboa: Instituto Piaget, 1988.

VON FOERSTER, H. Las semillas de la cibernética. Barcelona: GEDISA, 1996.

_______. WATZLAWICK, P; KRIEG, P (Orgs). El ojo del observador: contribuciones al constructivismo. Barcelona: Gedisa, 2009.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática. e-ISSN: 1982-1654 ISSN Impresso:1516-084X