A Acessibilidade de Pessoas com Daltonismo: A Construção de um Protótipo de AVA Inclusivo

Rita de Cassia Miranda da Costa, Adriana Aparecida de Lima Terçariol, Fernanda Sutkus de Oliveira Mello, Sidinei de Oliveira Sousa, Elisangela Aparecida Bulla Ikeshoji

Resumo


O presente estudo teve como finalidade desenvolver um protótipo de módulo digital que pudesse melhorar e/ou adequar o acesso de pessoas com daltonismo ao Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) “Aprender Unoeste”. A pesquisa assumiu um caráter qualitativo, uma vez que a proposta de investigação focou o estudo a respeito da acessibilidade de pessoas com daltonismo aos AVAs. Os resultados obtidos contribuíram para o entendimento da necessidade de se considerar determinadas especificidades para se promover o acesso efetivo de pessoas com daltonismo aos AVAs, propiciando condições mais eficientes de leitura e visualização das informações gerais e dos materiais didáticos disponíveis.

Palavras-chave


Acessibilidade. Inclusão. Daltonismo. Ambiente Virtual de Aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. C. F. de. et al. Acessibilidade para pessoas com deficiência visual no Moodle. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 17, n. 33, p. 327-348, dez., 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2015.

BEHAR, P. A. et al. A importância da acessibilidade digital na construção de objetos de aprendizagem. RENOTE, Rio Grande do Sul, v. 6, n. 1, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2015.

BESSANI, P. B. S. et al. Usabilidade e acessibilidade no desenvolvimento de interfaces para ambientes de educação à distância. In. RENOTE, v. 8, n. 1, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2015.

BRASIL. Decreto n.º 5.296, de 02 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 03 dez. 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2015.

BRASIL. Decreto nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez., 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

BRASIL. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 ago. 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Notas Estatísticas Censo da Educação Superior, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2015.

GARCIA, F. E. A. S. et al. Aplicação da Interação Humano-Computador no Desenvolvimento de Interfaces Gráficas Destinadas a Daltônicos. Revista E-f@tec, Garça, v. 3, n. 2, Artigo n. 19, 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2016.

GOMES, A; RIBEIRO, M.M.G. Recoloração de web conteúdos para daltónicos: recoloração de imagens. In: Conferência Internacional em Design e Artes Gráficas, 2, 2012, Tomar. Desafios conceptuais para o design e a produção gráfica: livro de actas. Lisboa: ISEC. p. 470-473. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

COLORADD: Color identification system. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2016.

COLOR IDENTIFICATION SYSTEM FOR COLORBLIND PEOPLE. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2016.

COLOUR BLIND AWARENESS. 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2016.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2009.

MELO, D. G.; GALON, J. E. V.; FONTANELLA, B. J. B. Os "daltônicos" e suas dificuldades: condição negligenciada no Brasil?.Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 24, n. 4, p. 1229-1253, dez., 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2016.

NÓBREGA, G. C. Acessibilidade aos conteúdos visuais em ambientes virtuais de aprendizagem. Revista Brasileira de Tradução Visual, Recife, PE, v. 9, n. 9, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2016.

PRATES, R. O.; BARBOSA, S. D. J. Avaliação de interfaces de usuário: conceitos e métodos. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2016.

SASSAKI, R. Inclusão: o paradigma do século 21. Revista Inclusão, vol. 1, n. 1, p. 19-23, out., 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2016.

SANTANA, V. F.; ALMEIDA, L. D. A.; BARANAUSKAS, M. C. C. Aprendendo sobre acessibilidade e construção de websites para todos. Revista Brasileira de Informática na Educação, v. 16, n. 03, dez., 2008. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2015.

SONZA, A. P.; CONFORTO, D.; SANTAROSA, L. Acessibilidade nos portais da educação profissional e tecnológica do Ministério da Educação. In: Revista Brasileira de Educação Profissional e Tecnológica. Brasília. v. 1, n. 1, p. 131-146. jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2015.

TORRES, E. F.; MAZZONI, A. A.; ALVES, J. B. da M. A acessibilidade à informação no espaço digital. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 3, p. 83-91,set., 2002. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.22456/1982-1654.66775

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática. e-ISSN: 1982-1654 ISSN Impresso:1516-084X