Vida e Morte da Infância, entre o Humano e o Inumano

Walter Omar Kohan

Resumo


 Este texto parte do filósofo francês Jean-François Lyotard, que define a infância como um resto do inumano que todo ser humano deve abandonar para nascer. Recupera, com ele, a tarefa política de resistir ao esquecimento dessa infância. O faz incorporando outros autores: Sócrates, quem coloca a infância no reino de uma verdade tão justa quanto impossível de escutar; Rilke, quem identifica a infância com as crianças e com a arte; Deleuze, quem despega a infância da subjetividade que a inscreve numa trama de esquecimento de si. Finalmente, traz a crítica que o próprio Lyotard desdobra do totalitarismo contemporâneo focado na infância. As quatro leituras têm uma ligação política: trata-se de modos de resistir o esquecimento da infância que constitui todo ser humano.


Palavras-chave


Infância. J.-F. Lyotard. Sócrates. Rilke. G. Deleuze.

Texto completo:

PDF


Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

paep_96