Nau Literária

A Revista Nau Literária é um periódico eletrônico semestral, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Imagem para capa da revista

A seleção dos artigos para publicação toma como referência sua contribuição aos estudos literários, a originalidade ou o tratamento dado ao tema, a consistência e o rigor da abordagem teórica. Cada artigo é examinado pelo menos por dois membros do Painel de Pareceristas (ou especialistas ad hoc), sendo necessários dois pareceres favoráveis para que seja recomendado para publicação. Veja aqui os integrantes de nossa Equipe Editorial.

Conheça nossa Política Editorial

Confira as diretrizes para autores

Cadastre-se no sistema

Acesse as edições



Esta publicação conta com o apoio das seguintes instituições

Programa de Pós-Graduação em Letras da UFRGS

Programa de Apoio à Edição de Periódicos - PROPESQ-UFRGS

Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas da UFRGS

CAPES-QUALIS 2015:
Letras e Linguistica A2

Indexadores: LATINDEX - SUMARIOS.ORG - DOAJ - Periódicos CAPES

Estatísticas
Período: de 17-06-2008 (migração para o SEER) até 07-12-2012
Total de visualizações dos resumos: 174.989
Total de visualizações dos artigos: 468.503
Média de visualizações para 2012: 8.667 p/ mês - 289 p/ dia
Média total desde a migração: 6.507 p/ mês - 216 p/ dia

Notícias

 

Chamada aberta para o próximo número

 
Dossiê Guerra do Paraguai e Literatura na América do Sul

A Guerra do Paraguai ou Grande Guerra do Brasil (1864-1870) foi um fato histórico e político significativo, que mobilizou as forças militares brasileiras, argentinas e uruguaias em conflito bélico contra a jovem república paraguaia, em torno, principalmente, das disputas territoriais e econômicas. Apesar das imensas perdas humanas, produziu um imaginário rico, registrado em prosa e verso, que constitui, com o passar dos anos, uma espécie de solo comum na região sul da América. Do lado brasileiro, por exemplo, que ainda era um império no século XIX, pode-se acompanhar, desde então, a instauração do Estado Nacional, as "guerras" culturais em torno da identidade, a limitação das fronteiras e as políticas linguísticas que promovem a modernização do país ao longo do século XX. Compartilhada no avesso da animosidade, a memória da guerra, que envolveu combatentes negros, índios, imigrantes, torna-se um potente gerador de ficção, muitas vezes com caráter transnacional e ignorando deliberadamente as construções geopolíticas das nacionalidades. O Dossiê Guerra do Paraguai e Literatura na América do Sul propõe um resgate das formas, consideradas esforços artísticos de reflexão, convivência e sobrevivência.

Organizadores: Gerson Roberto Neumann; Rita Lenira de Freitas Bittencourt

Prazo final para envio de artigos: 05 de junho de 2017
 
Publicado: 2017-05-12
 

Chamada aberta para o próximo número

 
Dossiê Os pós-modernos e os modernos na poesia portuguesa

A poesia que se produz desde os anos 1970 em Portugal evidencia os rumos de uma sociedade que aspirava a um novo regime de liberdade, no limiar de uma experiência de integração que logo viria com o ingresso na União Europeia. O país deixava uma situação de declínio do regime salazarista, experimentada com a guerra colonial e a perda do antigo Império, para enfrentar questões desafiadoras, tanto na dimensão econômica quanto na cultural, como a globalização e a hipermodernização. Os poetas desobrigam-se da tradicional pertença a grupos ou revistas, preferindo explorar caminhos mais individuais, violando as fronteiras arte-vida, Portugal-Europa, para expressar incertezas, autoexame e questionar o horizonte que se abre como incógnita. Todavia, o legado do modernismo não foi abandonado. Revisitando formas e temas, por vezes ludicamente, por outras reflexivamente, estão presentes nessa poesia finissecular que se derrama pelo novo milênio os clássicos modernos, seu rigorismo construtivo, sua metapoética, seu ímpeto de ruptura e originalidade. O dossiê Os pós-modernos e os modernos na poesia portuguesa quer apresentar um painel analítico de novas vozes atuantes, sem denegar a força renovadora das que as antecederam e moldaram o feitio da poética portuguesa.

Organizador: Maria da Glória Bordini

Prazo final para envio de artigos: 02 de agosto de 2016
 
Publicado: 2016-07-01
 
Outras notícias...