XAMANISMO E PROTESTANTISMO ENTRE OS TERENA: CONTEMPORANEIDADES

Graziele Acçolini

Resumo


Abordarei manifestações xamânicas entre os índios Terena (Aruák) do Mato Grosso do Sul tendo em vista a apropriação da doutrina protestante pentecostal. Deterei-me à aldeia Bananal, onde conheci a igreja UNIEDAS, presente desde o início do século XX, hoje formada por lideranças e adeptos nativos. Nesse processo de apropriação da crença protestante pentecostal, observei a reelaboração do xamanismo como contraponto para ancorar a hipótese do processo de terenização do protestantismo, posto que os próprios adeptos evangélicos recorrem à ação dos xamãs, mas não a qualquer xamã; recorrem a xamãs também evangélicos. Os Terena, os adeptos da UNIEDAS e da crença nos xamãs, assinalam para a capacidade dos povos indígenas em manterem suas especificidades no e devido ao contato com a sociedade envolvente.

Palavras-chave


Povo Terena; Igreja UNIEDAS; xamanismo; crença protestante pentecostal.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22456/1982-6524.26916